Renovado, o Estádio Olímpico de Helsinque inicia uma nova era

O Estádio Olímpico foi inaugurado quatro anos após o início de extensas reformas. Sua arquitetura e design funcionalistas dos anos 30 foram meticulosamente preservados e aprimorados com tecnologia e instalações do século 21 (veja a mostra de fotos).

Concluído em 1938 de acordo com os planos dos arquitetos Yrjö Lindegren e Toivo Jäntti, o maior e melhor estádio da Finlândia seria a sede das Olimpíadas programadas para 1940. A Segunda Guerra Mundial, no entanto, fez com que o país tivesse que esperar até 1952 para poder realizar a competição.

Depois que uma reforma abrangente terminou em agosto de 2020, a pandemia global fez com que apenas 1.400 ingressos pudessem ser vendidos para o primeiro jogo depois da reabertura. As equipes da região da capital HJK e PK-35 se enfrentaram no dia 19 de agosto na Liga Nacional, a série principal de futebol feminino do país. Em 3 de setembro, a Finlândia e o País de Gales jogaram uma partida internacional masculina no Estádio Olímpico sem espectadores.

“Os eventos planejados para 2020 estão apenas adiados, não cancelados”, disse a especialista em eventos do Estádio Olímpico Essi Puistonen. “E ainda podemos usar as instalações para eventos menores. A Helsinki Design Week 2020, por exemplo, escolheu o estádio como seu principal local de exibição.”

Depois de quase meia década envolto em andaimes e ocupado por máquinas de escavação, o belo e histórico marco de Helsinque, com sua torre de observação de 72 metros, está novamente pronto para receber grandes eventos esportivos e de entretenimento.

A Finlândia tem muito orgulho de seu patrimônio arquitetônico, e as reformas foram realizadas de acordo com as regras da Agência do Patrimônio Finlandês para preservar o caráter essencial das construções com significado histórico especial. Particularmente em termos de padrões de segurança e tecnologia, o estádio carecia de melhorias amplas, que foram possíveis sem comprometer seu caráter único. O complexo do estádio também abriga o Museu do Esporte da Finlândia, reaberto em outubro de 2020, e um restaurante bistrô.

Por Tim Bird, setembro de 2020

Veja o estádio por dentro e por fora

Uma vista externa do estádio mostra a silhueta do telhado, com segmentos que se erguem como degraus.

O antigo telhado sobre as arquibancadas principais foi preservado, enquanto um novo telhado de madeira cobre quase todo o resto dos assentos do estádio. O projeto veio de um consórcio de duas firmas de arquitetura finlandesas, K2S e NRT, que trabalharam junto com a White Arkitekten da Suécia e a Wessel de Jong da Holanda. Foto: Tim Bird

Vista dentro de um estádio mostra o campo e o céu acima da borda do telhado que cobre as arquibancadas.

A elegante fachada do Estádio Olímpico de Helsinque, a dois quilômetros do centro da cidade, foi preservada em uma reforma completa, incluindo melhorias na segurança para multidões e acesso para grandes eventos esportivos e concertos. Foto: Tim Bird

Uma estátua de um homem correndo está em um pedestal em frente a um estádio, e um corredor passa correndo por ela.

A estátua do “Finlandês Voador” Paavo Nurmi (1897-1973) ainda marca a aproximação ao estádio. Nurmi ganhou nove medalhas olímpicas de ouro e três de prata e estabeleceu vários recordes mundiais em corridas de média e longa distância. Ele acendeu a chama olímpica no estádio em 1952. Foto: Tim Bird

Um ciclista passa por um estádio em uma nova ciclovia.

As atualizações no acesso e no ambiente do estádio incluem novas ciclovias, parte da estratégia de Helsinque, que busca ser a cidade mais funcional do mundo. Foto: Tim Bird

Parte da torre do Estádio Olímpico é visível ao lado da curva do telhado do estádio.

Uma torre de 72 metros embeleza o canto sudoeste do estádio. Os visitantes da torre podem solicitar os ingressos no site do estádio. Foto: Tim Bird

Vista de Helsinque que mostra uma baía, um trem passando, um parque arborizado e torres de igreja.

A torre do estádio oferece uma das melhores - senão a melhor - vista panorâmica da capital finlandesa. Outros marcos da cidade visíveis da plataforma de observação incluem a Catedral Ortodoxa Uspenski (à esquerda) e a Catedral Luterana (à direita). Foto: Tim Bird

Jogadoras correm pelo campo em uma partida de futebol feminino em um estádio.

Anita Abu (em vermelho) do PK-35 avança contra o HJK em 19 de agosto de 2020 em uma partida da Liga Nacional, o primeiro jogo a ser disputado no recém-reformado Estádio Olímpico. (o HJK venceu, 2–0.) Foto: Vesa Moilanen / Lehtikuva

Dois pedaços de pedra estão expostos em uma placa na parede.

Relíquias de estádios de Roma e Atenas fazem referência à antiga tradição dos Jogos Olímpicos. Foto: Tim Bird

Um pódio com degraus para três vencedores fica na parte de uma pista de atletismo.

O estilo funcionalista foi cuidadosamente preservado em cada detalhe do estádio - até mesmo no pódio dos vencedores. Foto: Tim Bird

Sombras longas e finas de grades de metal em um espaço em branco.

Sombras nítidas e escuras em fundos brancos brilhantes transmitem a elegância do tema funcionalista. Foto: Tim Bird

Uma fileira de telas, cada uma montada em um mastro.

Leitores de ingressos eletrônicos vão agilizar o acesso ao estádio e reduzir as filas. As reformas também incluíram melhorias nos quiosques de alimentação e serviços e aumento do número de banheiros de 248 para 600. Foto: Tim Bird

Um trecho interno reto de pista de corrida.

As instalações de aquecimento e os recursos de treinamento interno, tanto para competidores quanto para clubes esportivos, foram melhorados, enquanto os interiores retornaram à sua glória original. Foto: Tim Bird

Ao lado de um trecho interno da pista de corrida, uma placa na parede diz “Quase lá” em finlandês.

“Quase lá”, diz a placa: Um túnel subterrâneo reproduz a pista externa do estádio, parte de uma adição subterrânea de 20 mil metros quadrados às instalações do local. Foto: Tim Bird

Foto: Markku Ulander / Lehtikuva

Glen Kamara (6), da Finlândia, protege a bola de Joe Morrell (18), do País de Gales, em uma partida da Liga das Nações disputada sem espectadores no Estádio Olímpico em 3 de setembro de 2020. (Gales venceu por 1–0.) Foto: Markku Ulander / Lehtikuva

O piso de um ginásio apresenta linhas de várias cores para diversos esportes.

As instalações esportivas cobertas de última geração oferecem novas oportunidades de treinamento para amadores e profissionais. Foto: Tim Bird

Fileiras de assentos de estádio estão ao fundo, atrás do gramado de um campo de futebol.

O perfil do estande principal foi preservado de acordo com as estipulações da Agência Finlandesa do Patrimônio. Foto: Tim Bird

Um corredor interno amplo tem duas escadas subindo de um lado.

Escadas e estruturas brancas e limpas caracterizam o caráter histórico único do estádio. Foto: Tim Bird

Uma vista de Helsinque mostra uma baía e um grande edifício de biblioteca com um contorno de telhado ondulado.

Do funcionalismo dos anos 30 ao modernismo do século 21: a vista da torre inclui a extraordinária nova biblioteca central de Helsinque, Oodi. Foto: Tim Bird

Uma torre fina se ergue contra um céu azul.

A torre do Estádio Olímpico ostenta os anéis olímpicos em referência aos Jogos Olímpicos de Helsinque em 1952. Foto: Tim Bird