Quem merece receber o Prêmio Internacional de Igualdade de Gênero da Finlândia?

Você conhece alguém que constrói e defende a igualdade? De 25 de outubro a 31 de dezembro de 2018, você poderá sugerir um candidato para receber o Prêmio Internacional de Igualdade de Gênero, um prêmio bienal concedido em Tampere, na Finlândia.

ler artigo

A igualdade de gênero é importante para a Finlândia e é uma questão crucial em todo o mundo.

Criado em 2017 para ajudar a celebrar o 100º aniversário da independência da Finlândia, o Prêmio Internacional de Igualdade de Gênero, que não possui caráter político, é concedido na cidade de Tampere, localizada no centro-oeste da Finlândia. A próxima edição será apresentada no outono de 2019, de 25 de outubro a 31 de dezembro de 2018. Qualquer pessoa, de qualquer lugar do mundo, pode entrar online e sugerir um destinatário.

O Governo da Finlândia concede o prêmio com base na recomendação de um júri independente, que considera as candidaturas apresentadas pelo público.

Os organizadores buscam por “um distinto construtor e defensor da igualdade”. Pode ser uma pessoa ou uma organização de qualquer lugar do mundo. O que importa é que seu trabalho “promova a igualdade de gênero e seu impacto”. O prêmio de 300 mil euros não é dado ao vencedor, em vez disso, este deverá escolher “uma causa, um empreendimento inovador ou uma ação que promova a igualdade de gênero” para receber a quantia. O valor do prêmio nesta edição é o dobro do valor da edição original.

Igualdade de gênero como um princípio orientador

Mariama Moussa viajou para Tampere, na Finlândia, para receber o dinheiro do Prêmio Internacional de Igualdade de Gênero, concedido à organização não governamental do Níger SOS Femmes et Enfants Victimes de Violence Familiale (SOS Mulheres e Crianças Vítimas de Violência Doméstica), selecionada pela premiada Angela Merkel, chanceler da Alemanha. À esquerda, o primeiro-ministro finlandês Juha Sipilä segura um buquê para ser entregue à Mariama Moussa.Foto: Mika Kanerva/Lehtikuva

Em 1906, a Finlândia tornou-se o primeiro país do mundo a conceder direitos políticos plenos às mulheres – elas adquiriram o direito de votar (primeiro país na Europa) e também o direito de disputar eleições. Os finlandeses consideram a igualdade de gênero um princípio orientador desde então.

Ainda há trabalho a ser feito, mas a Finlândia mantém-se repetidamente nos dois ou três primeiros lugares em rankings e estudos que medem a igualdade de gênero e o bem-estar das mulheres. Outros países nórdicos geralmente unem-se à Finlândia no topo destes rankings. Na Finlândia, até o momento, as mulheres representam 42% do Parlamento, 23% dos membros do conselho em empresas listadas e 39% dos membros do conselho em empresas estatais. Seis dos 17 ministros do governo são mulheres.

Quando você acessa a Internet para indicar um destinatário ao prêmio, pode explicar como a pessoa ou a organização promoveu a igualdade de gênero e descrever o impacto de suas ações. Você também pode fazer uma estimativa sobre quantas pessoas foram afetadas pelas atividades da pessoa ou organização.

O primeiro Prêmio Internacional de Igualdade de Gênero foi concedido à Angela Merkel, chanceler da Alemanha. Seu trabalho de vida tornou-a uma das pessoas mais influentes do mundo e um exemplo para muitas mulheres e meninas. Merkel escolheu direcionar o dinheiro para a organização não-governamental do Níger, SOS Femmes et Enfants Victimes de Violence Familiale (SOS Mulheres e Crianças Vítimas de Violência Doméstica), que está construindo um abrigo residencial para vítimas de violência de gênero.

Um post no site do Prêmio Internacional de Igualdade de Gênero incentiva a sugestão de um destinatário: “Estamos ansiosos para receber excelentes indicações”, diz.

Pelo time do ThisisFINLAND, outubro de 2018

Veja também no thisisFINLAND

Leia mais

Merkel ganha prêmio em dinheiro na Finlândia e escolhe grupo no Níger como recipiente

Finlândia concede Prêmio Internacional de Igualdade de Gênero, o primeiro nesta categoria com status de alto nível no mundo. O pêmio é concedido a alguém que tenha contribuído para a evolução da igualdade de gêneros. Ao invés de receber o dinheiro do prêmio, o vencedor ou vencedora escolhe uma causa como recipiente desta importante contribuição.

Links