Físico finlandês Tuomo Suntola vence o Prêmio de Tecnologia do Milênio

A invenção de Tuomo Suntola, conhecida como Deposição em Camadas Atômicas, é usada em tudo, de smartphones a painéis solares.

ler artigo

“É ótimo ganhar o Prêmio de Tecnologia do Milênio”, diz Tuomo Suntola. “Agora podemos compartilhar de maneira convincente o valor desta tecnologia. Isso é o que sempre quisemos.”

Suntola, nascido em Tampere em 1943, é o vencedor da edição de 2018 do prêmio bienal de um milhão de euros, por seu trabalho com Deposição em Camadas Atômicas (o termo mantém a abreviação em inglês ALD), uma tecnologia de nanoescala usada para criar camadas ultrafinas de maneira controlada. A Technology Academy Finland concede o Prêmio de Tecnologia do Milênio (Millennium Technology Prize) para homenagear inovações tecnológicas pioneiras, que melhorem a qualidade de vida das pessoas e promovam o desenvolvimento sustentável.

Canivete suíço nanotecnológico

Em grande parte de seu trabalho com prata, a joalheria Kalevala usa um processo de ALD criado pela empresa finlandesa Beneq, para dar aos itens uma camada protetora transparente e antiatrizante. Estes pingentes fazem parte da série “Naisen ääni” (Voz de Mulher).Foto: Kalevala Jewellery

“A ALD é o canivete suíço da nanotecnologia”, diz Riikka Puurunen, professora associada da Universidade  Aalto e pesquisadora  em ALD. “Já é usada em muitas tecnologias e as possíveis aplicações são enormes”.

Fabricantes utilizam ALD em energia fotovoltaica, luzes LED e telas eletroluminescentes planas. Ele é usado até mesmo para revestir jóias de prata para evitar manchas. No entanto, um dos seus maiores papéis está nos chips de memória e lógica.

“A ALD é um facilitador da Lei de Moore, a observação de que o número de transistores em chips de circuitos integrados dobra a cada dois anos”, explica Puurunen. “Um marco importante foi em 2007, quando a Intel iniciou o uso comercial de ALD em seus chips.”

CEOs confusos não são obstáculo

Este vídeo do Prêmio de Tecnologia do Milênio é fácil de entender e explica a ALD e suas aplicações com a ajuda do próprio inventor, Tuomo Suntola.
Vídeo: Academia de Tecnologia da Finlândia

Um dos primeiros empregos de Suntola depois da universidade foi trabalhar com um sensor de umidade que exigia uma camada fina de filme. Isso o levou a pensar em outras maneiras de criar filmes ultrafinos. Quando a empresa de instrumentos médicos Instrumentarium pediu-lhe novas idéias de produtos, ele sabia exatamente o que recomendar.

“Eu propus a minha ideia e a gerência fez muitas perguntas”, diz Suntola. “O CEO finalmente disse: ‘Ainda estou confuso, mas vamos fazer isso’”.

A ideia era construir camadas de diferentes materiais, uma camada atômica de cada vez, o que garante uniformidade mesmo em formas tridimensionais complexas. Ele requereu uma patente para sua invenção ALD em 1974.

“Na época, tínhamos apenas um objetivo: usar o ALD para painéis eletroluminescentes de tela plana”, diz Suntola. “No entanto, mesmo nessa fase inicial, eu já pensava no seu potencial em semicondutores”.

A pesquisa fundamental da tecnologia também foi conduzida de forma independente na União Soviética, iniciada por Valentin B. Aleskovsky e Stanislav I. Koltsov, ambos falecidos nos anos 2000.

Tecnologia levanta voo

A funcionária da Intel, Rebecca Nevin, possui um chip Stratix 10, que contém 30 bilhões de transistores e pode processar o equivalente a 420 discos Blu-ray de dados em um segundo. A Intel iniciou o uso comercial de ALD em seus chips em 2007.Foto: Tim Herman/Intel

O primeiro painel de exibição criado mostrava a chegada e a partida de voos no Aeroporto de Helsinque, e a produção comercial começou nos anos 80. Como a tecnologia melhorou foi considerada para aplicações mais diversas.

“Quando trabalhei para a Microchemistry, uma subsidiária da empresa nacional de energia da Finlândia, a Neste, começamos a desenvolver a ALD que seria usada em dispositivos fotovoltaicos e em pastilhas de silício”, diz Suntola.

Foi a partir dos anos 2000, quando os fabricantes de chips se interessaram, que a tecnologia explodiu em popularidade. Se você gosta do que seu smartphone, notebook e PC modernos podem fazer, agradeça a Suntola e sua invenção.

Mudando a maneira como vemos o universo

A instituição suíça educacional e de P & D HE-Arc usa processos e máquinas Picosun ALD para colocar revestimentos em componentes de relógios como este.Foto: HE-Arc

Hoje a tecnologia está sendo considerada para usos ainda maiores, como na área da saúde, onde pode ser usada para revestir dispositivos médicos implantáveis ou para a liberação controlada de medicamentos.

“Uma das idéias que sobre a qual estou animado é sobre o uso da ALD em espelhos telescópicos”, diz Suntola. “A próxima geração de telescópios poderia mudar toda a maneira como vemos o universo.”

Suntola permanece no conselho de administração da Picosun, uma empresa finlandesa especializada em ALD, mas a maior parte do tempo ele gasta trabalhando em sua ideia de um universo dinâmico.

“Eu gosto de estudar a base de nossas teorias sobre o universo”, diz ele. “Eu olho por atrás das equações.”

Por David J. Cord, maio de 2018

Veja também no thisisFINLAND

Leia mais

Satélites finlandeses Aalto rodeiam o espaço

Na Universidade Aalto, em Helsinque, estudantes criaram dois nano satélites que foram recentemente lançados no espaço. No futuro próximo, numerosos outros nano satélites fornecerão uma riqueza de novas informações, que serão relevantes para o meio ambiente, para os transportes e para as empresas, além de ajudarem a solucionar desafios críticos como as mudanças climáticas.

Links