Experiência finlandesa com o clima do Ártico ajuda o Pacífico

Conversamos com um samoano e com um finlandês sobre um projeto conjunto de quatro anos, realizado entre o Instituto de Meteorologia da Finlândia e 14 nações insulares do Pacífico, para melhorar as previsões do tempo e capacidades de alerta na região.

ler artigo

Em fevereiro de 2016, o ciclone tropical mais forte já registrado surgiu através do Pacífico Sul. Com ventos de 285 quilômetros por hora, o ciclone Wilson devastou pequenas ilhas de baixa altitude, causando danos de 1,2 bilhão de euros. O aviso prévio é a chave da sobrevivência a esse tipo de tempestade. O Instituto de Meteorologia da Finlândia (FMI) vem trabalhando com as nações insulares do Pacífico para desenvolver serviços de previsão do tempo e serviços de alerta.

“Esta é realmente uma área única no mundo”, diz Matti Eerikäinen, gerente de projeto da FMI. “É uma área muito ampla, as ilhas estão espalhadas e algumas delas estão muito distantes umas das outras”.

Além disso, muitas das ilhas localizam-se muito pouco acima do nível do mar. Pesquisadores australianos concluíram que o nível do mar na área está aumentando em cerca de dez milímetros por ano e as mudanças climáticas podem resultar em tempestades mais fortes. A combinação pode fazer com que as ondas das tempestades cubram completamente algumas delas.

“A coleta e distribuição de informações é extremamente importante”, diz Eerikäinen, “não apenas para proteger a propriedade, mas também para proteger vidas”.

Os benefícios de uma melhor previsão

A cobertura do projeto FINPAC abrange mais de 14 países: Ilhas Cook, Estados Federados da Micronésia, Fiji, Kiribati, Ilhas Marshall, Nauru, Niue, Palau, Papua Nova Guiné, Samoa, Ilhas Salomão, Tonga, Tuvalu e Vanuatu.Mapa cortesia de FINPAC

O resultado é o projeto Finlândia-Pacífico (FINPAC), coordenado pela Secretaria do Programa Regional do Meio Ambiente do Pacífico (SPREP) e apoiado pelo Ministério finlandês dos Negócios Estrangeiros, usando fundos de cooperação para o desenvolvimento [divulgação: o ministério também produz o ThisisFINLAND]. O projeto de quatro anos foi concluído no verão de 2017.

Salesa Nihmei, meteorologista e responsável pelo clima do SPREP, com base em Samoa, explica que o projeto teve dois objetivos principais: melhorar a previsão do tempo e usar melhor essa informação junto com os moradores locais.

“Queríamos reduzir a vulnerabilidade dos meios de subsistência dos países insulares do Pacífico aos efeitos das mudanças climáticas”, diz Nihmei. “Melhoramos a capacidade dos serviços meteorológicos nacionais dos países para fornecer previsões climáticas e alerta prévio. Fizemos isso em cooperação com a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho, em benefício dos moradores das comunidades do Pacífico “.

Nevascas e tufões

O diretor dos Serviços Meteorológicos de Tonga, Ofa Fa’anunu (primeiro no plano esquerdo), fala com membros da comunidade na Ilha Mounga’one.Foto: SPREP

Você deve estar pensando o que meteorologistas finlandeses, que costumam lidar com tempestades de neve e mares congelados, sabem sobre a previsão do clima no ensolarado Pacífico Sul. A proficiência em prever a queda de neve tem a ver com a previsão de tufões?

“Não, não”, responde Eerikäinen, rindo. “Prever clima tropical é realmente diferente da previsão do tempo finlandês. Nós apenas fornecemos as ferramentas; eles conhecem o seu próprio clima “.

As ferramentas incluem estações de observação automáticas e meteorológicas. A FMI também ajudou a consertar algumas estações antigas, além de fornecer peças sobressalentes. Também forneceu o sistema de exibição meteorológica SmartMet e o sistema de alerta de clima severo SmartAlert.

“Os serviços meteorológicos locais podem usar o SmartMet para previsão do tempo em geral”, diz Eerikäinen. “Eles obtêm muitos dados em uma plataforma, que podem ser digitalmente modificados para novos formatos de previsão. O SmartAlert fornece avisos em um formato de mapa padrão. Terceiros podem usar essas informações para atualizar seus próprios sistemas. As pessoas podem receber avisos enviados ao Google Maps em seus smartphones“.

Os aldeões se envolvem

Em Epau, Vanuatu, os membros da comunidade discutem um mapa de risco pintado na parede da escola local, mostrando possíveis áreas de inundação, perigo de deslizamento e outras informações relevantes para planos de evacuação.Foto: SPREP

No entanto, o FINPAC não era simplesmente uma solução técnica. Os meteorologistas locais foram treinados no uso dos sistemas, mas melhorar a previsão do tempo não ajuda se essa informação não puder ser usada de maneira eficaz. Uma das chaves foi o envolvimento de organizações da mída.

“Nós também trouxemos a mídia junto com os meteorologistas”, diz Nihmei. “Eles discutiram as oportunidades e os desafios da informação meteorológica e como fornecê-la em terminologia simples ou traduzi-la em seus próprios idiomas”.

As comunidades locais estiveram envolvidas em todo o processo, desde o planejamento inicial até a instalação dos sistemas. A Cruz Vermelha ajudou com a preparação, enfatizando a necessidade de designar responsabilidades durante uma tempestade e explicando como amarrar os telhados. Grandes sinais foram erguidos detalhando os números de emergência, como avaliar a força do vento e quais as rotas a serem usadas durante as evacuações.

“This was really a unique project,” Eerikäinen says. “We’ve never implemented a project down the whole value chain before and are very pleased with how it turned out. Finnish development aid is based on sustainability, so we are keen to continue support and build capacity in the region.”

“Este foi realmente um projeto único”, diz Eerikäinen. “Nós nunca implementamos um projeto em toda a cadeia de valor antes e estamos muito satisfeitos com o resultado. A ajuda finlandesa ao desenvolvimento baseia-se na sustentabilidade, por isso estamos ansiosos para continuar a apoiar e ampliar as capacidades na região “.

Por: David J. Cord, novembro de 2017

Veja também no thisisFINLAND

Links