Mercado de peixes finlandês dá a volta por cima mesmo sem os maiores clientes

Alguns comerciantes finlandeses a leste do país normalmente obtêm a maior parte de sua receita de compradores transfronteiriços russos. Para entender como as empresas estão lidando com a situação do corona vírus, visitamos um mercado de peixes em que o estacionamento está vazio, mas o chefe já está focado no futuro.

ler artigo

Ao sair de Lappeenranta, cidade que fica no leste da Finlândia a menos de 25 quilômetros da fronteira com a Rússia, você logo vê o comércio típico com suas lojas e caixas de madeira. Este tipo de mercado tem a mesma aparência por toda a Finlândia, mas nessa região, um detalhe se destaca.

Muitos dos anúncios e letreiros finlandeses das lojas aparecem com as traduções em russo. Roupas, equipamentos de hóquei no gelo, sapatos, material de jardinagem – todos os tipos de comerciantes tentam atrair compradores russos e finlandeses.

Uma sensação de vazio

Um balcão de peixe vazio em uma mercearia

Embora os negócios não tenham acabado, diminuíram ao ponto de parte do balcão comprido e curvado de peixes da loja Disas em Mustola não estar em uso.
Foto: ThisisFINLAND.fi

No Disas, um mercado de peixe com quatro pontos de venda, os russos representavam 70% dos clientes antes de 19 de março de 2020, quando as autoridades fecharam a fronteira.

(No momento da redação deste artigo, no final de junho, a fronteira ainda permanece fechada para viagens não essenciais. Isso afeta a quase todos, exceto profissionais de saúde essenciais, transportadores de mercadorias, cidadãos que retornam, diplomatas e um pequeno número de outras exceções. Não se sabe quando a fronteira reabrirá.)

A filial do Disas em Mustola, nos arredores de Lappeenranta, está praticamente vazia desde então. A loja se orgulha de ter o maior mercado de peixe de todos os mercados da Finlândia e, em muitos dias, o movimento era tão intenso, que uma fila se formava à medida que os funcionários filetavam e embrulhavam pedidos.

“Quando a fronteira estava aberta, o estacionamento ficava cheio de carros russos”, diz Tuija, uma cliente regular. Ela é finlandesa e residente de longa data em Lappeenranta, recentemente aposentada de uma carreira em serviço social e educação.

Ela diz, que em um bom dia, havia vários ônibus estacionados do lado de fora, todos trazendo compradores além-fronteiras. “O balcão de peixes tem o formato de uma grande letra S, e pode haver 20 ou 30 pessoas alinhadas, com várias pessoas servindo-os.” O serviço fluía bem; demorava apenas alguns minutos para os pedidos serem atendidos.

Desde o fechamento da fronteira, as coisas estão diferentes. “Parece um deserto recentemente – um enorme estacionamento e apenas três ou quatro carros”, diz Tuija. “Toda a região da Carélia do Sul depende muito de turistas russos, embora essas lojas atendam a finlandeses e russos. Isso mostra como a sociedade pode ser vulnerável.”

Resistindo à situação

Uma placa que diz "Disas" na frente de um céu azul

À procura do céu azul: a loja One Disas está localizada na zona rural do leste da Finlândia, perto de Lappeenranta.
Foto: ThisisFINLAND.fi

O ThisisFINLAND visitou o Disas em Mustola várias vezes durante a primavera e o início do verão. A cada vez, apenas alguns clientes andava pelos corredores da loja de 3 mil metros quadrados, que armazena mercadorias e mantimentos diários, além de peixe fresco.

Um estacionamento claramente vazio não é coisa para nenhum comerciante, mas se o proprietário e CEO do Disas, Martti Tepponen, estiver desanimado, ele fez o possível para não admitir isso para nós.

“A situação não é uma catástrofe total”, diz ele. “Ainda estamos fazendo negócios continuamente, apesar de significativamente menos do que antes, é claro. De qualquer forma, sabemos que esta é uma fase temporária. Só que ninguém sabe quando isso vai acabar.”

O fechamento da fronteira forçou a empresa a ajustar suas operações. “Somos capazes de permanecer abertos com uma certa quantidade de funcionários e manter operações básicas”, diz Tepponen. “No final do verão, iremos rever as coisas. Espero que até então a situação tenha mudado.”

Para enfrentar a crise, o Disas reduziu o horário de funcionamento e mantém uma de suas áreas fechadas. Os cafés nas lojas também estão fechados e a empresa demitiu temporariamente vários dos 150 trabalhadores que atuam em seus mercados. Os funcionários incluem finlandeses, russos e estonianos; todos eles residem na Finlândia.

Expandindo enquanto fica em casa

Prateleiras e pilhas cheias de produtos em uma mercearia

Entre outras estratégias para atrair clientes, o Disas está aumentando sua gama de produtos.
Foto: Disas

Esforçando-se para lidar com as circunstâncias desafiadoras, o Disas procura expandir sua base de clientes para incluir mais trabalhadores finlandeses. Isso se soma a um sortimento que anteriormente atendia principalmente a compradores internacionais: café, chá, doces, óleo de cozinha, carnes especiais e utensílios domésticos, além de peixes finlandeses e importados.

“Aumentamos nosso marketing na Finlândia e revisamos nossa linha de produtos para incluir mais coisas que os locais procuram”, diz Tepponen. O Disas também tem uma matriz na cidade finlandesa de Loviisa, onde defuma peixe e embala produtos a base de pescados e caviar para seus próprios pontos de venda e atacado.

Enquanto a empresa é conhecida como um mercado de peixe, Tepponen prevê que ela vire para um supermercado “altamente completo”, como ele diz, adicionando frutas, legumes e bebidas alcoólicas à sua seleção. “Nós já estocamos todo o resto”, diz ele.

Embora o Disas esteja aproveitando essa chance para se tornar mais conhecido pelos consumidores domésticos e buscar novas ideias, Tepponen, como muitas pessoas em todo o mundo, ainda espera pelo dia em que “as coisas possam voltar ao normal”.

Por Anna Ruohonen e Peter Marten, julho de 2020