Regentes finlandesas em destaque no comando de orquestras mundo afora

As orquestras mais prestigiadas do mundo da música clássica recrutam jovens maestros finlandeses. Como a Finlândia alcançou sucesso neste campo?

ler artigo

A Finlândia, um país de 5,5 milhões de habitantes, abriga 30 orquestras, incluindo 14 sinfônicas, de acordo com a Associação de Orquestras Sinfônicas da Finlândia. Este é possivelmente o maior número de orquestras per capita de qualquer país do mundo.

A terra do compositor Jean Sibelius é uma colaboradora reconhecida de talentos em regência para o cenário da música clássica global. O histórico da Finlândia de produzir um grande número de maestros com distinção internacional está enraizado no compromisso político de longo prazo e financiamento para educação e cultura musical.

No momento da redação deste artigo, os maestros finlandeses recentemente nomeados para orquestras estrangeiras notáveis são: Dalia Stasevska (Sinfônica da BBC), Santtu-Matias Rouvali (Filarmônica de Londres), Eva Ollikainen (Sinfônica da Islândia) e Klaus Mäkelä (Filarmônica de Oslo).

Um histórico amplo

A regente finlandesa Eva Ollikainen lidera a Orquestra Sinfônica da Islândia na temporada 2020–21.  Foto: Nikolaj Lund

“Uma das principais razões pelas quais tantos maestros e músicos de alto nível emergem da Finlândia é o alto nível e a diversidade de nossa educação musical”, diz Ville Matvejeff, maestro, compositor, pianista e diretor artístico do Savonlinna Opera Festival, que ocorre todos os verões na cidade ao leste da Finlândia.

“Muitos de nós estudamos vários instrumentos, composição, canto, diferentes gêneros musicais e assim por diante, o que fornece a ampla base e os recursos necessários para trabalhar como maestro.”

Matvejeff estudou na Academia Sibelius de Helsinque e no Instituto de Música de Espoo, a oeste da capital. Ele trabalhou como assistente de maestros famosos, incluindo Esa-Pekka Salonen, também finlandês, que é mundialmente famoso por seu trabalho de décadas na Filarmônica de Los Angeles.

Liberdade para se desenvolver

Aku Sorensen, violinista e maestro finlandês-americano, diz que na Academia Sibelius ele teve “liberdade para se desenvolver como maestro”.
Foto: Mario Ramirez

A Academia Sibelius, parte da Universidade das Artes de Helsinque, é a sede de aprendizado musical mais famosa e competitiva da Finlândia, conhecida pelo ensino de alta qualidade, inovação e produção de alguns dos maestros mais famosos do mundo. Seus programas de regência incluem regência orquestral, regência coral e regência de orquestra de sopro.

“A Academia Sibelius oferece liberdade para o desenvolvimento pessoal do músico como maestro e possui uma grande comunidade de estudantes e professores que realmente se apoiam”, diz Aku Sorensen, um estudante finlandês do primeiro ano de regência que já é formado em violino.

“Na primeira semana de meus estudos, fui jogado para os lobos. Me colocaram para reger a orquestra estagiária da academia. Bem, é tudo ou nada. Mas isso permite que você comece a encontrar sua maneira pessoal de reger desde um estágio inicial.”

Se os alunos receberem convites para reger outras orquestras, poderão fazer uma pausa nos estudos. Sorensen atua como mestre de concertos (violinista principal) na Orquestra de Câmara de Helsinque e também é diretor artístico do Sounds of Luosto, um festival de música que acontece na Lapônia finlandesa.

Comunicadores que inspiram

“Acredito que grandes maestros são curiosos e são bons comunicadores”, diz a maestrina finlandesa Dalia Stasevska.
Foto: Nikolaj Lund

Ser maestro não é apenas definir o ritmo. O maestro interpreta a partitura, sugere fraseado, dinâmica e andamento, e percebe se algo não está funcionando.

“Não há uma maneira correta de reger”, diz Dalia Stasevska, principal maestrina convidada da Orquestra Sinfônica da BBC desde agosto de 2019. “Todos temos personalidades diferentes, mas acredito que grandes maestros são curiosos e são bons comunicadores. Eles são claros com o que querem e devem inspirar os outros.”

Stasevska estudou violino no Conservatório de Tampere, e depois na Academia Sibelius, violino e regência.

Ela elogia a orquestra estagiária da Academia Sibelius, composta exclusivamente por estudantes. Lá, ela diz, “você constrói seu núcleo, sua técnica e também é exposto. Quando você está estudando, é vital ter um instrumento, e o instrumento do maestro é a orquestra. ”

Instrumentos e batutas

Jutta Seppinen estudou canto na Academia Sibelius, antes de assumir a direção de uma orquestra.
Foto: Maarit Kytöharju

Excelente educação musical, cultura musical arraigada e versatilidade musical resumem o cenário dos maestros finlandeses.

Na Finlândia, a maioria dos estudantes de regência aprende o ofício de um instrumentista antes de dar o salto para comandar uma orquestra inteira. “Se você não sabe tocar um instrumento a nível superior, é praticamente impossível ter autoridade sobre instrumentistas profissionais”, diz Matvejeff.

No entanto, nem todos os maestros são instrumentistas. Jutta Seppinen, que trabalha como regente do Coro Acadêmico Feminino Lyran, estudou canto na Academia Sibelius, antes de assumir a direção orquestral.

Recentemente, ela trabalha com a Orquestra Filarmônica de Helsinque e, na primavera de 2020, regerá a Orquestra Sinfônica de Lahti e a Orquestra Sinfônica da Vivo, esta última uma filarmônica composta por jovens músicos de toda a Finlândia.

“Como venho do lado vocal, meu instrumento é a minha voz”, diz Seppinen, que precisou aprender a usar uma batuta depois de reger coros sem uma. “Portanto, sou uma exceção na regência orquestral.”

Por Carina Chela, janeiro de 2020

Links