Em Helsinque, Amos Rex apresenta a nova geração de artistas

A exposição trienal chamada Generation 2020 (Geração 2020) mostra o panorama geral sobre quem são os artistas entre 15 e 23 anos de idade na Finlândia. Eles usam uma variedade de mídias para se expressarem sobre o mundo de hoje.

ler artigo

É a segunda vez que a exposição Generation 2020 ocorre (até 10 de maio). Anteriormente realizada em 2017 no Museu Amos Anderson, sua versão atual atinge uma escala muito maior em 2020.

O próprio museu mudou-se para novas instalações, bem mais extensas, em 2018 e passou a chamar-se Amos Rex. Vários de seus shows causaram filas que se estenderam pela rua até virarem a esquina. Os artistas apresentados na Generation 2020 vêm de origens variadas e se aprofundam nas questões atuais usando uma variedade de técnicas. Um júri recebeu e analisou mais de 1.600 inscrições; pouco mais de 80 artistas foram selecionados.

A década se inicia

O vídeo de Riku Koponen é intitulado “About no one in particular” (Sobre ninguém em particular).
Foto: Screenshot do vídeo / Amos Rex

“Agora temos uma visão geral bem extensa do que jovens artistas finlandeses estão fazendo atualmente”, diz a curadora Anastasia Isakova. “Os jovens compõem o público-alvo principal do Amos Rex. A Generation é um ótimo exemplo que também proporciona uma grande oportunidade para eles expressarem sua voz e, até mesmo, serem incluídos no programa da exposição. ”

A Generation 2020 cria um local de encontro para artistas e suas obras, que abordam uma variedade de assuntos semelhantes sob ângulos totalmente diferentes.

Vários temas distintos são exibidos ao longo da exposição: mudanças climáticas, mudanças de identidade e relação das pessoas com a tecnologia. “Esses são alguns dos temas centrais do nosso milênio e da nova década”, diz Isakova.

Uma última festa para o plástico

Com uma cadeira e outros móveis feitos de copos de plástico reciclado, o “Baltic Sea Afterparty” (Afterparty do Mar Báltico), de Venla Huhtinen, é um comentário sobre o plástico que chega ao oceano.
Foto: Daniel Ahola

A designer de móveis Venla Huhtinen, uma das artistas da Generation 2020, cria móveis exclusivos que navegam entre a arte e o design. Seu trabalho, The Baltic Sea Afterparty (O Afterparty do Mar Báltico), forma uma declaração experimental sobre o mar Báltico e sua carga plástica não convidada.

A arte consiste em três móveis feitos de copos de plástico, que Huhtinen coletou em festas e festivais que participou.

A ideia por trás do trabalho é abordar algo negativo sob um ângulo positivo, diz Huhtinen. “Pessoalmente, sinto que a pregação não é um bom caminho a seguir durante nosso período de ansiedade climática”, diz Huhtinen. Ela prefere “transformar isso em algo positivo”. Seu trabalho faz uma festa de despedida para os copos de plástico. “Eu meio que lhes dei uma nova vida agradável, por assim dizer.”

A tecnologia descreve o tempo

Um esboço preliminar em Timeline (Linha do Tempo), de Emil Fihlman, tenta comprimir o universo em uma única linha. Foto: Emil Fihlman / Amos Rex

Emil Fihlman, um estudante de TI da Universidade Aalto, usa as conexões que as pessoas podem fazer com a tecnologia e as possibilidades ainda a serem percebidas. A arte é um subproduto e um resultado deliberado do trabalho de Fihlman com tecnologia.

Fihlman quer que sua peça incentive todos a fazer arte, especialmente o tipo que envolve tecnologia. Isso está longe de ser difícil, ele acredita. “Arte leve, arte sonora, arte cinética, arte que brinca com os sentidos, juntos e separadamente – a tecnologia permite tanto, que é difícil conceber todas as maneiras pelas quais ela pode ser usada para criar arte”, diz ele.

A arte tecnológica de Fihlman, Timeline (Linha do Tempo), é uma pequena história sobre o passar do tempo. Nela, o universo é comprimido em uma única linha, criando algo que ele espera que o espectador ache interessante. “É uma peça unidimensional com começo e fim”, diz Fihlman. “No entanto, lembrando-se do passado, você também pode ter uma visão mais ampla dos sistemas a partir de um espaço estreito”.

Métodos tradicionais, mensagem moderna

Love is both Honey and Venom (O amor é ambos Mel e Veneno): a tapeçaria ryijy de Anna-Karoliina Vainio, mostrada aqui enquanto o trabalho ainda estava em andamento, retrata um paraíso colorido e pacífico.
Foto: Anna-Karoliina Vainio / Amos Rex

O tempo está sempre presente na Generation 2020. Muitas das obras examinam as tradições da história da arte e da memória coletiva através de significados atuais. A identidade de gênero também é um tema proeminente.

A peça de Anna-Karoliina Vainio é um mundo próprio. Em uma obra de arte de tapeçaria de três metros, feita usando o método tradicional de tecelagem finlandês chamado ryijy, Vainio combina técnicas de artesanato antigas com imagens de hoje. A peça, chamada Love is Honey and Venom (O Amor é Mel e Veneno), captura um mundo colorido onde dois amantes podem existir sem julgamento, cercados por proteção e amor.

“É maravilhoso sentir que faço parte de uma tradição feminina de séculos de idade, e que possuo o que quero expressar por meio dessa técnica”, diz Vainio. “Com frequência, a mídia, especialmente filmes e programas de TV, retrata assuntos LGBTQ + sob uma luz triste ou trágica. Eu queria proporcionar aos meus personagens o seu próprio paraíso pacífico.”

 

Por Annika Rautakoura, fevereiro de 2020

Veja também no thisisFINLAND