Sociedade finlandesa valoriza o tempo em família e a inclusão

A importância que os finlandeses atribuem ao Dia das Mães e ao Dia dos Pais pode refletir algo que vai além dos feriados em si. Pode ser um indicativo da forma como a Finlândia, como sociedade, vê e apoia a família.

Os finlandeses normalmente levam o Dia das Mães e o Dia dos Pais muito a sério. Ou melhor, tende-se a dar muita importância a estas comemorações. São feriados que incluem toda a família, embora levem apenas o título dos pais.

A maioria das famílias finlandesas com filhos – e muitas famílias cujos filhos já cresceram – deixa as agendas livres para que possam fazer algo especial no Dia das Mães (o segundo domingo de maio na Finlândia) e no Dia dos Pais (o segundo domingo de novembro). Se você entrar em contato com um amigo para sugerir um encontro em um desses dias, provavelmente ele dirá que não é possível. E você realmente deveria saber disso. (Observação: alguns dos links do artigo estão em inglês.)

Algo sobre tudo

Uma mulher e um bebê estão apontando para as folhas de uma árvore ao lado de um caminho na floresta.

Uma mãe e um filho exploram a Trilha Natural Maatialanharju na cidade de Nokia (sim, aquela Nokia), perto de Tampere.Foto: Laura Vanzo / Visit Tampere

A atitude da sociedade finlandesa em relação à família também é visível em outros dias do ano.

Anu Partanen é uma jornalista finlandesa que morou em Nova York, onde passou uma década antes de voltar para a Finlândia com o marido americano e o filho deles. Em seu livro The Nordic Theory of Everything (em tradução livre para o português: A Teoria Nórdica Sobre Tudo), ela examina muitos aspectos da vida nos Estados Unidos e nos países nórdicos, incluindo saúde, equilíbrio entre vida profissional e pessoal, educação e criação de uma família.

Ela aborda aspectos da sociedade nórdica que também ajudam a explicar a maneira como a Finlândia considera os pais e a família. Em um capítulo intitulado “Valores familiares reais: indivíduos fortes formam uma bela equipe”, Partanen menciona os muitos benefícios que os pais de crianças pequenas recebem nos países nórdicos. Na Finlândia, eles incluem um tempo generoso de licença-maternidade com mesada, creche muito acessível e um pacote de maternidade (apelidado de “caixa de bebê”) cheio de roupas e outros itens que os pais precisam para seu novo bebê.

Partanen ressalta que tais benefícios concedem aos pais e famílias mais independência. Embora criar uma família nunca seja simples, a licença parental e a disponibilidade de creches dão aos pais mais flexibilidade para organizar suas vidas, famílias e carreiras de uma forma gerenciável e gratificante. Talvez o mais importante disso tudo seja o fato deles poderem passar mais tempo com as crianças durante os primeiros meses e anos de formação, sem sofrer um golpe econômico insuportável ou ter que sacrificar a carreira.

Os benefícios não são gratuitos – os finlandeses costumam mencionar que pagaram por eles na forma de impostos (em outro artigo, o ThisisFINLAND pergunta se os impostos deixam os finlandeses felizes). E o sistema mudou ao longo do tempo, com a próxima atualização marcada para 2022, trazendo meses adicionais de licença parental; terminologia que é mais neutra em termos de gênero; dando maior inclusão para várias constelações familiares – falaremos mais sobre isso em outro momento.

Acomodando a vida familiar

Esta animação mostra as mudanças planejadas para o sistema de licença parental em 2022 (vídeo em inglês).Vídeo: Ministério de Assuntos Sociais e Saúde

Conversamos com vários pais de crianças pequenas para ter uma ideia de como as famílias na Finlândia organizam sua licença parental e como esses benefícios fazem diferença em suas vidas. (Estamos usando o termo “licença parental” para incluir várias categorias. Mais informações aparecem na caixa no final do artigo.)

Ann-Mari e Jaakko, um casal de Helsinque com quase 30 anos, têm um menino com mais de dois anos no momento em que escrevo esse artigo. “Bem cedo, quando eu ainda estava grávida, conversamos sobre algumas coisas e Jaakko disse que queria dividir a licença parental”, lembra Ann-Mari.

A licença-maternidade começa um mês ou mais, dependendo da necessidade, antes da data do nascimento do bebê e, depois disso, ambos os pais entraram de licença nas primeiras duas semanas da criança. “Foi muito bom podermos compartilhar aquele tempo maravilhoso juntos por algumas semanas”, diz Jaakko, que trabalha com restauração arquitetônica.

Depois disso, Ann-Mari ficou em casa por quase nove meses antes de trocarem de lugar, com Jaakko cuidando do filho e Ann-Mari voltando ao trabalho editorial. “A ideia era que a criança se acostumasse a ter os pais por perto”, diz Jaakko.

Quando sua licença-maternidade acabou, ele decidiu trabalhar seis horas por dia durante vários meses. Essa opção, disponível para famílias com crianças menores de três anos, é conhecida como atendimento flexível. Isso deu a Jaakko a possibilidade de ajudar o filho a fazer a transição para a creche um mês após seu primeiro aniversário.

Com tudo isso, seus empregadores foram se acomodando – eles são obrigados por lei a conceder o tempo de folga sem repercussões na carreira dos funcionários. As crianças se beneficiam e, também, suas famílias e toda a sociedade.

Tecnicalidades com gêmeos

Um homem anda em uma bicicleta que tem um carrinho acoplado com duas crianças sentadas nele.

Os pais de gêmeos recebem um período adicional significativo de licença parental.Foto: Riitta Supperi / Banco de Imagens da Finlândia

Aseidas, um americano e pai de meninos gêmeos de dois anos, é casado com uma finlandesa e trabalha para uma empresa finlandesa como arquiteto técnico. Ele não obteve licença parental do sistema finlandês, pois se mudou para a Finlândia pouco antes do nascimento dos filhos e, portanto, não se qualificou. Felizmente, a empresa internacional para a qual ele trabalhava concedeu-lhe uma licença de três meses.

“Ter gêmeos é um pouco mais desafiador”, diz ele, claramente atenuando o caso, enquanto os meninos alegremente derramam comida no chão ao fundo. “Ambos os pais precisavam estar fora do trabalho ao mesmo tempo.”

A família recebe um abono de família (cerca de 100 euros por mês por criança com menos de 17 anos), como todas as famílias finlandesas, e os gêmeos frequentam creches na mesma rua em que moram desde os 18 meses. A esposa de Aseidas tirou licença parental, que era de dez semanas a mais para famílias com gêmeos. Depois de mais de um ano afastada, ela voltou ao trabalho em uma organização não governamental.

Mais tarde, ele também conseguiu o período de atendimento flexível e passou a trabalhar 80% das semanas durante quatro meses. Ele pretende fazer isso novamente por seis meses, quando as crianças completarem dois anos e meio. “O sistema na Finlândia meio que cuida de você e das crianças e garante que você tenha pelo menos o mínimo do que precisa”, diz ele.

Encontrando o tempo

Mãe e filha sentam-se em um banco de parque ao sol.

A licença parental permite que as famílias aumentem o tempo de qualidade que passam juntas.Foto: Heli Sorjonen / Banco de Imagens da Finlândia

Virpi e Aki têm uma filha de dois anos e moram em um bairro de Helsinque a cerca de dez quilômetros do centro da cidade. Ambos trabalham em profissões relacionadas à saúde. “Quando nosso filho nasceu, fiquei temporariamente desempregado”, diz Aki. “Fiquei um mês em casa e voltei ao trabalho, mas depois tirei licença parental.”

Virpi ficou de licença por nove meses e, quando voltou ao trabalho, Aki tirou alguns meses de licença. Quando isso acabou, ele ficou em casa com a filha por mais alguns meses, durante os quais recebeu uma pequena mesada para cuidar da filha em casa.

Várias considerações práticas tornaram mais lógico para Aki ficar em casa durante esta fase: Virpi estava concluindo os estudos de pós-graduação que estavam parcialmente integrados ao seu trabalho e seu salário também era maior do que o de Aki.

Quando a filha completou 18 meses, ela começou a frequentar a creche. Naquele período, Virpi e Aki trabalharam 80% das semanas durante três meses, a fim de tornar a transição da família para a rotina da creche mais suave.

Sempre mudando

Um bebê está sentado no chão em um museu.

Nunca é cedo para deixar seus filhos interessados na leitura, mas não temos certeza se esta pequena sabe que eles estão no Museu de Literatura Finlandesa de Tampere.Foto: Laura Vanzo / Visit Tampere

Ao longo das décadas, o sistema de benefícios da Finlândia mudou com o tempo, permitindo que os pais obtivessem uma proporção cada vez maior da licença parental. Outra reforma significativa está marcada para agosto de 2022 (veja o quadro abaixo e o vídeo acima).

A reforma aumentará o tempo de licença e revisa a terminologia, usando o termo “parental” em vez de “maternidade” e “paternidade”. Também iguala o tempo alocado a cada um dos pais. Essas mudanças incentivam a igualdade e a inclusão para todos, independentemente do gênero, e acompanham a evolução da forma como as pessoas percebem e definem uma família.

Mas e o Dia das Mães e o Dia dos Pais, que são dias importantes para as famílias finlandesas? Eles são realmente igualitários?

Vejamos os fatores externos que podem influenciar a sua resposta. Aqui estão as estatísticas: No Dia das Mães, em maio, Helsinque recebe normalmente mais de 16 horas de luz do dia, e a alta temperatura média nesse mês é de 14 graus Celsius. Enquanto isso, o Dia dos Pais, em novembro, geralmente recebe pouco mais de sete horas de luz do dia, com uma temperatura média de apenas quatro graus Celsius.

Você pode tirar sua própria conclusão sobre isso, mas acreditamos ter encontrado um aspecto sobre parentalidade que nenhum montante de benefícios pode afetar.

Renascimento do benefício

Durante a maior parte da história do sistema de benefícios parentais, as mães puderam tirar uma licença parental mais longa do que os pais. Um regulamento aprovado em 1917, mesmo ano em que a Finlândia alcançou a independência, especificava um mínimo de quatro semanas de licença maternidade. Sua duração aumentou gradualmente e um subsídio foi adicionado na década de 1960, mas a introdução da licença parental, que qualquer um dos pais poderia usar, não ocorreu até 1982.

O sistema passou por muitas atualizações desde então. Uma nova revisão está marcada para agosto de 2022 – o tempo total da licença aumentará e será dividido igualmente entre os parceiros (exceto pelas semanas de licença-gravidez para a mãe biológica pouco antes da data do nascimento).
https://www.kela.fi/web/en/family-leave-reform-2022

O período total de tempo será maior – cerca de 14 meses em comparação com cerca de 12 meses atual. A terminologia é mais inclusiva e neutra em termos de gênero – não há mais licença maternidade ou paternidade, apenas licença parental. Famílias adotivas, famílias monoparentais e famílias multiparentes também receberão o mesmo tempo total de licença para compartilhar entre os responsáveis. As crianças em todas as famílias poderão se beneficiar em igual medida do tempo passado com os adultos que estão mais próximos delas.

Antes de agosto de 2022:

Licença maternidade, total de cerca de 4 meses (começando 5-8 semanas antes da data prevista para o nascimento)
Licença-paternidade, total de cerca de 9 semanas (3 semanas podem coincidir com a licença-maternidade)
Licença parental, total de cerca de 6 meses (os pais podem dividir o tempo entre eles como desejarem)
Total: mais de 12 meses

A partir de agosto de 2022 (planejado):

Licença de gravidez para a mãe biológica, total de cerca de 6,5 semanas (começando quando a data do parto se aproxima)
Licença parental, para cada responsável, cerca de 6,5 meses (um pode transferir 10,5 semanas para outro; famílias adotivas, famílias monoparentais e famílias multiparentes recebem a mesma licença parental total de cerca de 13 meses)
Total: mais de 14 meses
(O subsídio de maternidade, paternidade, licença parental ou licença-gravidez baseia-se, mas não é igual, no salário dos pais e tem um limite máximo.)

Outros:

Licença de assistência flexível (um responsável pode trabalhar 80% ou menos e receber um subsídio, enquanto a criança tem menos de três anos)
Licença de assistência domiciliar infantil (um responsável pode ficar em casa em tempo integral para cuidar de uma criança com menos de três anos e receber um subsídio, embora normalmente seja muito menor do que o subsídio para licença parental)

Pelo time do ThisisFINLAND, maio de 2021