Refeição real na pré-escola de Helsinque

Se a cidade de Helsinque alcançar o objetivo, 50% da alimentação nas creches e pré-escolas será orgânica até 2015.

ler artigo

Se a cidade de Helsinque alcançar seu objetivo então, até 2015, 50% da alimentação servida em suas creches e pré-escolas serão orgânicas. Nós conferimos o projeto de perto.

São oito horas da manhã na Creche Kannel, situado no norte de Helsinque, e as crianças estão em fila para um café da manhã nutritivo que inclui alguns ingredientes orgânicos. Pão, frios, frutas, leite e mingau estão no cardápio. Hoje, o mingau – o pilar mais importante do café da manhã das crianças finlandesas – é orgânico. A refeição faz parte de uma iniciativa da cidade de Helsinque apresentada em 2011, a qual mantém uma meta ambiciosa de garantir que 50% da alimentação servida nas creches e pré-escolas da cidade seja orgânica até o ano de 2015.

O projeto visa melhorar a saúde pública, incentivando hábitos de consumo sustentáveis em uma idade precoce e conscientizando as crianças sobre a origem de seus alimentos. Os professores fazem questão de discutir esse assunto com as crianças. “Nós sempre analisamos o cardápio inteiro com eles antes do café da manhã ou almoço. Se o cardápio incluir macarrão orgânico ou leite orgânico, eles ficarão cientes disso”, diz Outi Anttonen-Abdalla, professor de educação infantil na Kannel.

Da fazenda para o prato

4122-kannel_piirros_550px-jpg

Uma criança na Creche Kannel fez esse desenho para agradecer à cozinheira pelo ótimo café da manhã.Foto: Leena Karppinen

Como as pessoas cada vez mais se conscientizam sobre o meio ambiente e estão atentas aos escândalos sobre a orgiem dos alimentos na Europa, a maioria dos pais estão preocupados com a nutrição das refeições de seus filhos.

Tuuli Rossi, mãe de uma criança de seis anos de idade, considera que a alimento local e orgânico é o mais seguro: “Geralmente, ele é produzido em menor escala, provavelmente em uma fazenda perto da sua casa, ao contrário dos alimentos embalados que passam por cinco ou seis intermediários antes de chegar até você. Você não sabe o que poderia conter nele, e comer produto orgânico é uma maneira de evitar isso.” O sentimento popular é encontrar o caminho mais curto do campo até o prato. Isso se torna uma questão de encontrar o equilíbrio certo entre a oferta e a demanda.

Nos últimos dois anos, a Câmara Municipal de Helsinque concedeu € 400.000 para as pré-escolas incluírem ingredientes orgânicos em suas refeições. Hoje, as refeições incluem de 12% a 15% de ingredientes orgânicos, uma proporção cuja expectativa é de aumentar ainda mais. Entretanto, a escassez de matérias-primas orgânicas, sistemas de cadeia de suprimentos inadequados e custos crescentes estão desacelerando o ritmo de crescimento do consumo de alimentos orgânicos.

Agricultura orgânica andando a passos largos

4122-lautanen_550px-jpg

Os professores analisam o cardápio com as crianças para aumentar a conscientização sobre a origem da sua comida.Foto: Leena Karppinen

Enquanto grãos orgânicos, trigo, aveia, mingau de cereais e massas estão disponíveis em abundância, carnes, aves, produtos lácteos, legumes e frutas sazonais não estão. Além disso, as embalagens de tamanhos pequenos que estão disponíveis podem tornar o abastecimento orgânico uma proposta difícil. “Precisamos de embalagens grandes de ingredientes orgânicos, pois nós fornecemos alimentos para unidades de creches com 100 crianças ou mais”, diz Aulikki Johansson, diretora de serviços de abastecimento na Palmia, uma empresa que atende mais de 300 creches e pré-escolas em Helsinque.

“Somente embalagens pequenas estão disponíveis, então, só podemos esperar que os fornecedores estejam em condições de fornecer embalagens maiores.” Ela vê isso como uma questão de tempo antes que esses obstáculos sejam superados, e afirma que já estão coordenando com os fornecedores a elaboração de métodos para garantir um bom fluxo de matérias-primas e manter a variedade de alimentos.

De acordo com a agência de segurança alimentar finlandesa Evira, 365 novas fazendas foram registradas no sistema de controle de produção orgânica no último ano, um salto enorme em relação aos três anos anteriores. A agricultura orgânica atualmente é responsável por 9% da área total cultivada na Finlândia e o governo pretende ampliar esse número para 20% até 2020, em um projeto apelidado de Organic 20/2020.

Isso é um bom prenúncio para a cidade de Helsinque e suas metas – e também para as crianças nas creches e pré-escolas da capital finlandesa.

Por Asha Gopalkrishnan, Maio de 2013

Veja também no thisisFINLAND