Eleições parlamentares da Finlândia: recorde em mulheres vitoriosas

Numa eleição muito apertada, o Partido Social Democrata ganhou o maior número de lugares no Parlamento.

ler artigo

As principais questões que motivaram as eleições parlamentares da Finlândia em 14 de abril de 2019 incluíram: a tentativa fracassada da coalizão governamental anterior de aprovar uma reforma social e de saúde de longo prazo; a necessidade de ação para mitigar as mudanças climáticas; e políticas de imigração. Um novo Parlamento é eleito a cada quatro anos.

O Partido Social Democrata (SDP) recebeu 17,7% dos votos, conquistando o direito a 40 assentos no Parlamento de 200. Isto marca o regresso do SDP, que não alcançava maioria desde 1999. Representa também uma vitória historicamente estreita, seguido pelo partido altamente populista “Finns”, com 17,5%(39 lugares) e o Partido da Coalizão Nacional, que segue a linha moderado-conservadora, com 17% (38 assentos).

O Partido de Centro, também conservador, líder da coalizão do governo anterior, caiu consideravelmente de 49 para 31 assentos, com 13,8% dos votos. Os Verdes, fortes em áreas urbanas, conseguiram um recorde pessoal adicionando cinco lugares para um total de 20, sua maior vitória de todos os tempos. A Aliança da Esquerda teve um aumento de 4 assentos, chagando ao total de 16. Tanto os Verdes quanto a Aliança de Esquerda mantiveram a mudança climática na vanguarda de suas campanhas.

O Partido do Povo Sueco, cujo eleitorado depende principalmente da parcela de falantes de sueco, que também é uma língua oficial na Finlândia, manteve-se estável com nove assentos. Os democratas-cristãos, por sua vez, apegaram-se a seus cinco assentos. O conhecido empresário e membro do parlamento Harry Harkimo manteve o seu lugar depois de deixar o Partido da Coalizão Nacional para formar um movimento não-partidário chamado Movimento Agora.

Mulheres e jovens progridem

Li Andersson, já uma MP com dois mandatos e líder da Aliança de Esquerda aos 31 anos, fala aos seguidores do partido quando os resultados das eleições de 2019 chegam.
Foto: Roni Rekomaa/Lehtikuva

O comparecimento às urnas foi o mais alto desde 1991, respeitáveis 72%, quase dois pontos percentuais acima de 2015. Todos os cidadãos maiores de 18 anos são automaticamente registrados para votar se quiserem e recebem uma carta de notificação antes de cada eleição. Um total de 4,5 milhões de pessoas têm direito a voto, incluindo cerca de 250 mil cidadãos finlandeses que vivem no exterior.

Um número recorde de mulheres ganhou assentos: 93, ou seja, 47% do novo parlamento – o recorde anterior foram 85 assentos conquistados em 2011. 85% dos candidatos do partido Verde eram mulheres (apenas três dos 20 membros do partido são do sexo masculino). As mulheres detêm 22 dos 40 lugares do SDP.

Ao todo, 83 deputados que chegam são novos no Parlamento. Oito membros têm menos de 30 anos e 48% do Parlamento tem menos de 45 anos. Iiris Suomela, de 24 anos, uma cidadã “verde” da cidade de Tampere, no centro-oeste, é a MP mais nova da nova sessão.

O peso de um voto

Da esquerda para a direita: Dimitri Qvintus, porta-voz do Partido Social Democrata, Antti Rinne, presidente do partido e Heta Ravolainen-Rinne, esposa de Rinne, após a eleição de 14 de abril de 2019.
Foto: Antti Aimo-Koivisto/Lehtikuva

Os maiores candidatos dentre os chamados “ímã de votos” recebem dezenas de milhares de votos, mas em alguns distritos os candidatos podem entrar no Parlamento com pouco mais de 2.000 votos. Isso significa que todo voto carrega um valor significativo e matematicamente apropriado. Talvez essa seja uma das razões pelas quais as pessoas saiam e votem, mantendo a alta participação dos eleitores.

À medida que o SDP inicia negociações para formar uma coligação governamental, o maior periódico da Finlândia, o Helsingin Sanomat, sugere que um cenário provável envolveria o SDP, o Partido da Coalizão Nacional, os Verdes e o Partido do Povo Sueco. Muitas outras combinações são possíveis – mesmo aquelas que não incluem o SDP – mas cada parte adicional trazida para a coalizão dificulta o caminho para encontrar um terreno comum.

Pela equipe do ThisisFINLAND, abril de 2019

Veja também no thisisFINLAND

Leia mais

A Finlândia e a via para a reconciliação após a Guerra Civil de 1918

Há pouco mais de um século, a recém-independente nação da Finlândia experimentou uma curta, porém brutal guerra civil. Embora o conflito tenha deixado cicatrizes profundas, a cultura do trabalho em conjunto ajudou os antigos inimigos a se reconciliarem e permitiu que o país progredisse relativamente rápido em seu processo de construção da nação.

Links