Novos públicos descobrem a pintora número um da Finlândia, Helene Schjerfbeck

No início de 2020, o público recorde no Museu de Arte Ateneum de Helsinque e o lançamento de um longa-metragem sinalizaram que a artista Helene Schjerfbeck recebe atenção merecida de públicos de todas as idades. Conversamos com a atriz Laura Birn e com a curadora Anna-Maria von Bonsdorff.

ler artigo

Podemos dizer que Helene Schjerfbeck (1862–1946) se tornou uma artista aos quatro anos de idade, depois de cair da escada e quebrar o quadril. Durante sua recuperação, seu pai Svante lhe deu um lápis e ela começou a desenhar.

Quando Helene tinha apenas 13 anos, Svante morreu. Sua mãe Olga precisou assumer sozinha a criação de dois filhos.

Aos 11 anos de idade, Helene Schjerfbeck ganhou uma bolsa de estudos para estudar na escola de desenho da Sociedade Finlandesa de Arte, fazendo dela a aluna mais jovem da escola até aquele momento.

Um olhar para o exterior

Uma pintura mostra árvores altas em silhueta na encosta de uma colina.

Schjerbeck pintou Cypresses, Fiesole em 1894. Fiesole é um local perto de Florença, Itália. Foto: Hannu Aaltonen / Museu de Arte Ateneum / Galeria Nacional da Finlândia

Ao se formar, ela sonhava em ir a Paris, porém era jovem demais para viajar sozinha. Em vez disso, ela ficou em Helsinque, onde estudou o realismo francês plein-air (ao ar livre) sob o comando de Adolf von Becker.

Aos 18 anos, Schjerfbeck finalmente foi a Paris, por meio de uma bolsa do Senado da Finlândia, que custeou a viagem. Ela passou boa parte da década seguinte viajando, conectando-se a comunidades artísticas na Bretanha, em Florença e Saint Ives na Cornualha.

Ao contrário de muitos de seus contemporâneos, Schjerfbeck não era uma romancista nacional. Em vez disso, ela se inspirou na cultura visual de seu tempo, incluindo moda, revistas e catálogos, e se tornou uma figura importante no início do movimento modernista.

Exposições recebem ampla cobertura

Uma pintura retrata duas mulheres elegantemente vestidas do início dos anos 1900, uma com um chapéu.

The Family Heirloom (1915–16) mostra que Schjerfbeck se inspirou na cultura visual e na moda de seu tempo. Foto: Yehia Eweis / Museu de Arte Ateneum / Galeria Nacional da Finlândia

Em 2019 e início de 2020, a Academia Real de Artes de Londres e o Museu de Arte Ateneum de Helsinque organizaram de maneira colaborativa exposições consecutivas de Schjerfbeck. A Academia Real fez uma retrospectiva intitulada “Helene Schjerfbeck”, apresentando-a a uma ampla audiência britânica e levando o The Economist a escrever: “A menos que você seja finlandês, provavelmente nunca ouviu falar dessa artista enigmática. Eis por que ela é importante. ”

A exposição do Ateneum, chamada Through my travels I found myself (Através das minhas viagens eu me encontrei), focada no período de Schjerfbeck em Saint Ives e na inspiração que ela tirou da moda contemporânea. “O público finlandês já conhece Schjerfbeck, então tivemos que fazer algo diferente”, diz a curadora da exposição Anna-Maria von Bonsdorff.

“Faz sete anos desde que fizemos uma exposição de Schjerfbeck”, diz ela. “Como muitas de suas obras estão no exterior, em lugares como o Japão e a Alemanha, tivemos relativamente poucas de suas pinturas aqui. Recebíamos um feedback quase semanal de que deveríamos exibir mais do trabalho dela. ”

Número recorde de visitantes

Uma pintura mostra uma mulher abraçando uma criança pequena no chão de uma sala com uma janela aberta.

Mother and child (1886), de Helene Schjerfbeck, fez parte de Through my travels I found myself (Através de minhas viagens eu me encontre), uma exposição do Ateneum que bateu o recorde do museu em termos de frequência media diária. Foto: Hannu Pakarinen / Museu de Arte Ateneum / Galeria Nacional da Finlândia

A exposição no Ateneum teve uma média de 3.102 visitas diárias, a maior contagem diária de visitantes na história do museu, um total de 186.112 pessoas entre 15 de novembro de 2019 e 26 de janeiro de 2020. Em comparação, a exposição Picasso em 2009-10 teve uma média de 2.835 pessoas por dia, embora tenha durado dois meses mais, o que representou um número total de visitantes maior.

A exposição da Academia Real de Londres também foi popular. O catálogo se tornou o terceiro mais vendido da história do museu. Von Bonsdorff, inclusive, espera que os curadores ajudem a encontrar três Schjerfbecks desaparecidos que se acredita estarem em algum lugar do Reino Unido.

Ousada e talentosa

Uma mulher com um pincel na mão olha para um homem, que por sua vez está olhando para a foto que ela está pintando.

O filme Helene, estrelado por Laura Birn e Johannes Holopainen, cobre um período da vida de Schjerfbeck, quando ela passou algum tempo com Einar Reuter.
Foto: Nordisk Film

Acredita-se que Schjerfbeck se apaixonou duas vezes: uma vez por um artista cuja identidade permanece não confirmada, e uma outra vez por Einar Reuter, que mais tarde se tornou seu biógrafo. Esta segunda história de amor é o foco do filme de Antti J. Jokinen a ser lançado em 2020, baseado no romance de 2003 de Rakel Liehu, de mesmo nome.

A licença artística de Jokinen inclui a filmagem do drama em finlandês, apesar de Schjerfbeck ser uma finlandesa de língua sueca. (Sueco e finlandês são os dois idiomas oficiais da Finlândia moderna.)

O filme mostra uma mulher ousada, talentosa e ferozmente determinada. Laura Birn, que interpreta Schjerfbeck, passou muitos meses estudando com a artista Anna Retulainen para se preparar para o papel.

Arte, amor e amizade

Uma mulher sentada à mesa descansa os braços e a cabeça em cima da mesa.

Helene Schjerfbeck (Laura Birn) passa por momentos de alegria e desespero no filme Helene.
Foto: Nordisk Film

“Eu assisti ela pintar e ela me ensinou a segurar um pincel e trabalhar com cores”, diz Birn. “Pintamos juntas e conversamos sobre arte, Schjerfbeck, sobre ser uma mulher artista, filmes, atuação e vida. Foi um dos processos de preparação mais interessantes que já passei. ”

Helene conta a história do infeliz caso de amor de Schjerfbeck com Reuter (Johannes Holopainen), que era 19 anos mais novo que ela. Eles acabam se separando. Embora com o coração partido, Schjerfbeck encontrou apoio em sua amizade com a artista Helena Westermarck (Krista Kosonen) e se distraiu com a arte, permanecendo finalmente amiga de Reuter. Ela se correspondeu com ele pelo resto da vida.

“Antes de estudá-la, eu tinha essa imagem de uma artista mentalmente frágil”, diz Birn. “Mas, em vez disso, descobri uma pessoa apaixonada, obsessiva, curiosa, ambiciosa e dramática, com um senso de humor seco”.

Uma sequência renovada

Quatro pinturas seguidas mostram como uma mulher envelhece e o estilo da pintura também se torna mais esparso em linhas e cores.

Os curadores costumam mostrar os autorretratos de Schjerfbeck juntos, se possível. Esses quatro e outros apareceram na exposição do Ateneum. Through my travels I found myself (Através das minhas viagens eu me encontrei).
Fotos: Self-portrait (1884–85), Henri Tuomi; Self-portrait (1912), Yehia Eweis; Self-portrait with Red Spot (1944), Henri Tuomi; Self-portrait, en face I (1945), Hannu Pakarinen todos do Museu de Arte Ateneum / Galeria Nacional Finlandesa.

Ativa como artista há quase sete décadas, Schjerfbeck é talvez mais conhecida por seus autorretratos. Ela pintou cerca de 40 deles, cobrindo sua vida desde a juventude até a velhice. “É globalmente excepcional que ela tenha pintado tantos”, diz von Bonsdorff.

Schjerfbeck é frequentemente ofuscada por seus colegas do sexo masculino, como Akseli Gallen-Kallela. Mas, recentemente, algo mudou. “Ela tem algo a oferecer a novos públicos”, diz von Bonsdorff. “Ela parece de alguma forma contemporânea. O uso que fez de materiais populares atrai o público mais jovem. ”

Ela ganhou uma sequência renovada. “Dez anos atrás, Schjerfbeck não era realmente considerada a pintora número um da [Finlândia]”, diz von Bonsdorff, “mas agora ela realmente é”.

Por Tabatha Leggett, julho de 2020

As pinturas de Helene Schjerfbeck fazem parte das coleções permanentes do Museu de Arte Ateneum e Villa Gyllenberg em Helsinque; do Museu Gösta Serlachius em Mänttä, no centro da Finlândia; e do Museu de Arte de Turku, no sudoeste da Finlândia.

Veja também no thisisFINLAND

Leia mais

Artistas finlandesas retratam uma nova era

A Scandinavia House (Casa da Escandinávia) em Nova Iorque é o ponto de partida para a exibição de quatro artistas plásticas finlandesas, cujas carreiras coincidiram com transformações culturais e políticas do país. Mais à frente, as pinturas seguirão para Estocolmo para, depois, retornarem a Helsinque, onde farão parte de uma exposição maior.