Mannerheim: herói da Finlândia

Mannerheim, o líder militar mais famoso da Finlândia, ajudou seus compatriotas a conquistarem “suas próprias vidas independentes na família dos povos livres”.

ler artigo

O General Mannerheim traçou o curso da história finlandesa e foi eleito o maior finlandês de todos os tempos.

Carl Gustaf Emil Mannerheim serviu no exército imperial russo por décadas, mas transformou-se, anos depois, no maior herói de guerra da Finlândia. Mannerheim tornou-se o símbolo da luta finlandesa contra a Rússia Soviética durante a Guerra de Inverno (1939-1940). Foi saudado como um campeão da liberdade em todo o mundo ocidental durante aqueles 105 dias de resistência obstinada contra um inimigo vastamente superior.

Esta não foi a primeira vez que o majestoso representante da aristocracia sueco-falante da Finlândia atuou como comandante supremo em uma guerra contra a Rússia.

General Mannerheim em Vehmainen, Finlândia central, em 1918.Foto: Ilari Järvinen Pintura: Eero Järnefelt (1863-1937) em 1933.

A guerra de libertação (1918), mais tarde também chamada de Guerra Civil, já havia sido travada contra a Rússia Soviética e contra seus aliados, os chamdado “finlandeses vermelhos”. E a Guerra de Inverno tampouco foi a última em que Mannerheim lutou contra a Rússia.

O período de combate conhecido como Guerra de Continuação, de 1941 a 1944, durante o qual as forças alemãs lutaram ao lado do exército finlandês, foi ainda mais exigente para a Finlândia e a Rússia do que a Guerra de Inverno.

Além disso, na Guerra da Continuação, as forças finlandesas avançaram até o território russo com a intenção de anexar a Carélia Oriental, uma região que nunca tinha pertencido à Finlândia.

É fato de que a política finlandesa com relação à Rússia e os métodos de guerra finlandeses diferiam substancialmente dos alemães. A Finlândia se recusou, por exemplo, a lançar um ataque terrestre contra Leningrado e até mesmo a bombardear a cidade, apesar da pressão alemã.

Carreira notável na Rússia

Mannerheim passou cerca de trinta anos na Rússia, a maior parte deles em São Petersburgo, servindo no Exército Imperial.

Durante este período, Mannerheim não só alcançou o posto de tenente-general e foi nomeado comandante do Corpo de Cavalaria do Exército Imperial, como também foi recebido pessoalmente pelo imperador e tornou-se um membro de sua suíte.

O currículo de Mannerheim como soldado foi impressionante. Ele lutou pela Rússia na frente de batalha, tanto na Guerra Russo-Japonesa (1904-05) quanto na Primeira Guerra Mundial entre 1914 e 1917. Foi decorado com a Cruz de São Jorge por galhardia e tornou-se famoso por sua habilidade militar e eficácia.

Coronel Mannerheim em seu uniforme de desfile, como o comandante do 13º regimento de Vladimir de Uhlans, em Novo Minsk, em 1909.Foto: Mannerheim Museum

O chefe-comandante com seus generais e pessoal no Rio Rajajoki, em agosto de 1941, observando Leningrado e a fortaleza de Kronstadt. Rajajoki (“rio da fronteira”) era a fronteira da Rússia com a Finlândia ou, mais precisamente, da Rússia com a Suécia-Finlândia desde o Tratado de Schlüssleburg em 1323.Foto: Gunnar Strandell, SA-Kuva

Mannerheim era também um desportista habilidoso e ganhou prêmios em equitação. Esta foi, evidentemente, uma das razões pelas quais foi escolhido para a formidável tarefa de realizar uma missão de reconhecimento, a cavalo, pela Ásia que durou dois anos.

À lista dos méritos de Mannerheim pode-se acrescentar sua cordialidade, que contribuiu para o progresso do jovem oficial de cavalaria na alta sociedade e na própria corte imperial.

Passaporte de Mannerheim: “Teve passaporte concedido por ordem do Ministro Imperial nomeado. O cônsul russo afirmou que este homem virá da fronteira russo-chinesa para Xinjiang, visitar certas localidades e ver monumentos antigos. Deve-lhe ser dado um passaporte e autorizado a visitar os lugares que ele desejar, além disso, ele deve ser protegido. Dado como certificado às autoridades russas. No dia 27 do quarto mês do 32º ano do reinado do (Imperador) Guangxu (1906).Foto: Conselho Nacional de Antiguidades

A presença de um oficial não-russo no Exército Imperial não era uma raridade. Havia, de fato, milhares deles. Muitos desses súditos “inorodtsy” ou “não-ortodoxos” do imperador, que serviam no exército russo, vinham das províncias bálticas, falavam alemão como língua materna e eram luteranos por religião, assim como Mannerheim.

Experiência distinta

Mannerheim em Lanzhou, durante sua viagem de investigação para a China, 1906-08.Foto: Conselho Nacional de Antiguidades

No entanto, o passado de Mannerheim diferia do de seus irmãos bálticos. Ele veio do Grão-Ducado da Finlândia, que enviou mais de 4.000 oficiais para servir no exército russo entre 1809 e 1917. Quase 400 deles chegaram ao posto de general ou almirante.

A maioria dos oficiais da Finlândia falava sueco como língua materna, sendo o finlandês usado principalmente como segunda língua, dentre os que soubesse o idioma. O finlandês de Mannerheim antes de 1917 estava longe de ser fluente.

Mas, assim como os oficiais bálticos alemães, os oficiais finlandeses serviam ao imperador impecavelmente. Na verdade, não há registros de deslealdade entre os finlandeses, mesmo durante o período de 1899 a 1917, quando a Rússia começou a pressionar a Finlândia, minando seu status jurídico. Em vez de deslealdade, alguns dos oficiais optaram por se aposentar do serviço ativo.

Mannerheim não se aposentou. Ele permaneceu um soldado fiel, embora discordasse das políticas do imperador, que ele considerava imprudentes. Mesmo quando seu próprio irmão foi exilado para a Suécia, a lealdade de Mannerheim ao imperador permaneceu inabalável. Seus parentes entenderam sua posição.

Redefinindo a lealdade

Mannerheim na varanda da casa de campo de Stormhällan em 1926. Em 1920, ele alugou a ilha de Iso Mäntysaari, perto de Hanko, sudoeste da Finlândia, comprada mais tarde e rebatizada Stormhällan.Foto: Editora Otava

Foi somente quando a revolução bolchevique de 1917 esmagou a velha ordem, que Mannerheim percebeu que seus laços de lealdade com a Rússia haviam sido cortados. Após a revolução, ele se tornou um campeão da “causa branca” finlandesa.

Sua lealdade para com sua terra natal era agora total. Mannerheim sempre respeitou as instituições democráticas finlandesas, embora não fosse um democrata por convicção.

A carreira de Mannerheim a serviço de dois estados é uma história intrigante que aguça a curiosidade. Para os russos, Mannerheim é, acima de tudo, o jovem funcionário da Guarda dos Cavaleiros, que está ao lado de Nicolau II no desfile da coroação.

Aos olhos finlandeses, Mannerheim ergue-se como o marechal idoso, o homem de honra, a figura paternal cuja integridade moral e inteligência poderiam sempre ser confiadas.

Por Timo Vihavainen, fevereiro de 2005, atualizado em 2017
Vihavainen é um historiador finlandês e professor emérito de Estudos Russos na Universidade de Helsinque.

Veja também no thisisFINLAND

Links