Finlândia é a anfitriã do Mundial Feminino de Ice Hóquei

Os fãs finlandeses conhecem o seu hóquei e esperam grandes jogos do seu time, enquanto a Finlândia desafia os EUA e o Canadá no Campeonato Mundial Feminino de Hóquei no Gelo, realizado nos arredores de Helsinque.

ler artigo

O disco parou ao longo de duas linhas analíticas distintas em relação à hierarquia do hóquei no gelo feminino durante seus 29 anos de grande competição internacional e torneios: temos os EUA e o Canadá e depois o resto do mundo.

Desde a sua criação em 1990, o torneio feminino do Campeonato Mundial foi ganho dez vezes pelos canadenses e oito vezes pelos americanos, com a equipe dos EUA levando sete das últimas oito medalhas de ouro. Na verdade, nenhum outro país além do Canadá e dos EUA ganhou a prata.

Enquanto isso, a equipe feminina de hóquei no gelo mais competitiva do mundo fora da América do Norte é a Finlândia, que progrediu para a disputa da medalha de bronze todas as vezes. Com mais bronzes (12) do que qualquer nação, e empatada com a Suécia na quarta colocação (seis), a Finlândia tentará tornar-se a primeira vencedora não norte-americana quando o 19º campeonato mundial acontecer em Espoo, a oeste de Helsinque, de 4 a 14 de abril de 2019.

Uma chance no desafio

Noora Räty, goleira da Finlândia, em posição de impedir um ataque da canadense Sarah Fillier na Copa das Quatro Nações, em novembro de 2018.
Foto: Liam Richards/PA Photos/Lehtikuva

“Este ano a Finlândia tem uma boa chance no desafio”, diz Tuula Puputti, gerente geral da Team Finland e secretária geral do comitê organizador do Campeonato Mundial de 2019.

Existem várias razões pelas quais a Finlândia pode se tornar a primeira equipe a derrubar os EUA e o Canadá.

A Finlândia será a dona do gelo pela quarta vez na história do torneio, que foi realizado em Tampere (1992), em Espoo e Vantaa (1999), e em Hämeenlinna (2009). Apenas uma jogadora do time  que levou o bronze nos Jogos Olímpicos de Inverno de 2018, em Pyeongchang, não se encontra mais no time.

“Você acha que me conhece”, começa o narrador, num tom que faz uma pergunta e uma afirmação. O vídeo, intitulado “Este é quem eu sou”, mostra clipes de treinamento e jogos de algumas das jogadoras do Campeonato Mundial (narração em inglês).
Vídeo: Federação Internacional de Hóquei no Gelo

E não deve ser subestimado o fato de que o governo finlandês agora apóia financeiramente suas jogadoras de hóquei do alto nível.

Puputti, ex-goleira da equipe olímpica e nacional da Finlândia, diz que essa é a melhor situação que já tivemos para se preparar para o Campeonato Mundial.

O jogo dos ganhos

Vista de meta: Uma câmera na parte de trás da rede mostra a goleira finlandesa Noora Räty com uma luva e uma perna para fora, enquanto a russa Lyudmila Belyakova (10) se aproxima durante a ação olímpica Pyeongchang em fevereiro de 2018.
Foto: AFP/Lehtikuva

O apoio financeiro equitativo sempre foi um ponto de discórdia no hóquei feminino. A equipe dos EUA ameaçou boicotar o Campeonato Mundial de 2017 em Plymouth, Michigan, até receber tratamento igual ao de seus colegas do sexo masculino.

Enquanto muitos jogadores masculinos do time nacional ganham somas substanciais de dinheiro como profissionais na Liga Nacional de Hóquei e em outras ligas de alto nível, as ligas de hóquei profissionais femininas são escassas e não pagam bem. Tradicionalmente, as jogadoras de hóquei do time nacional têm que optar entre o treinamento consistente e seus empregos.

Enquanto as jogadoras de hóquei americanas e canadenses têm melhor acesso às ligas profissionais na América do Norte, algumas jogadoras do  Team Finland conseguem estabilizar sua condição financeira competindo na Liga Feminina de Hóquei da Suécia, que tem o mais alto nível de competição para mulheres dentre os nórdicos. Puputti diz que a liga sueca continua sendo apenas semiprofissional, mas dá às mulheres finlandesas um melhor equilíbrio financeiro e competitivo para se prepararem para a seleção nacional.

Dez times competem

A finlandesa Ella Viitasuo (direita) se prepara para roubar o disco da jogadora americana Sydney Brodt durante a Copa das Quatro Nações, em Saskatchewan, Canadá, alguns meses antes do Campeonato Mundial de 2019.
Foto: Liam Richards/AP/Lehtikuva

“Se todos continuarem saudáveis e tudo correr bem, talvez essa seja a nossa melhor equipe de todos os tempos”, disse Puputti, que jogou em conjunto na Universidade de Minnesota Duluth.

Com melhor suporte financeiro em todo o mundo, o hóquei feminino está expandindo sua pegada. O campo para o Campeonato Mundial de 2019 tem agora dez equipes de qualificação em vez de oito, coincidindo com o campo de dez equipes que serão convidadas para os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 em Pequim.

O hóquei feminino tornou-se um esporte olímpico em 1998. Como no Campeonato Mundial, a Finlândia nunca ganhou o ouro olímpico, mas levou o bronze em 1998 em Nagano, em 2010 em Vancouver e em 2018 em Pyeongchang.

Para o torneio do Campeonato Mundial na Finlândia, o Grupo A é composto pelas cinco melhores equipes: EUA, Canadá, Finlândia, Rússia e Suíça. O Grupo B inclui a Suécia, o Japão, a Alemanha, a República Checa e a França. Após o round-robin, todas as equipes do Grupo A e as três principais equipes do Grupo B avançam para as quartas de final.

Os fãs que lotarão a Arena Metro, com 6.982 lugares, verão apenas uma diferença nas regras entre o hóquei masculino e o feminino: a verificação do corpo não é permitida. O debate continua sobre a possibilidade de mudar essa regra para promover a igualdade, mas o hóquei feminino continua sendo um esporte cheio de contato e acelerado – essa é a natureza do hóquei no gelo.

Por Michael Hunt, março de 2019

Veja também no thisisFINLAND

Links