Com uma educação gratuita e de alta qualidade para todos

O sistema escolar finlandês constitue a base da excelente pontuação do pais na avaliação do PISA.

ler artigo

Embora os alunos mais jovens sejam avaliados quanto à progressão, a avaliação por notas só é introduzida no quinto ano escolar.Foto: Anna Dammert

O êxito repetido da Finlândia no PISA (Programa Internacional de Avaliação de Alunos) atraiu a atenção de grande parte da comunidade internacional para o sistema escolar do país e o apoio deste a um aprendizado continuo durante toda a vida. Tais critérios constituem a base dessa excelência.

A habilidade dos adolescentes finlandeses em matemática, ciências e leitura foi evidenciada pelas notas máximas ou superiores obtidas entre os quase 60 países avaliados pelo estudo do PISA (Programa Internacional de Avaliação de Alunos).

A avaliação trienal de adolescentes de 15 anos realizada nos principais países industrializados, ou PISA, foi idealizada pela OECD (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômicos, na sigla em inglês). No caso das provas de avaliação realizadas em 2006, cujos resultados foram publicados em 2007, um total de 4.714 estudantes de 155 escolas foi avaliado na Finlândia.

Nesse estudo do PISA, as provas abordaram particularmente a habilidade em ciências naturais, tendo os alunos finlandeses de 15 anos obtido o primeiro lugar por larga margem, acima do Japão, de Hong Kong e da Coreia do Sul. O resultado da Finlândia de 563 pontos nessa categoria foi o mais alto jamais registrado pelo PISA.

Já nas provas de leitura e compreensão de textos, os jovens finlandeses se classificaram em segundo lugar, logo abaixo da Coreia do Sul e em matemática perderam o primeiro lugar para a Taipei chinesa, por apenas um ponto.

Entendendo as necessidades das crianças

De acordo com a pesquisa, a força do sistema escolar finlandês é que ele garante oportunidades iguais de aprendizado, independentemente do meio social. Ao invés de comparar o desempenho de alunos, o foco é dirigido para o apoio e acompanhamento de alunos com necessidades especiais, sendo poucas as crianças que precisam repetir o ano.

O corpo docente nas escolas finlandesas possui um currículo de alto nível. Todos os níveis de ensino exigem um Mestrado, incluindo estudos extensos em pedagogia e habilitações em matérias especiais.

A sensação de segurança e motivação das crianças menores é reforçada pelo fato de terem um único professor. Além disso, embora os alunos mais jovens sejam avaliados quanto ao avanço, a avaliação por notas só é introduzida no quinto ano escolar. A meta das escolas finlandesas é estabelecer um relacionamento natural e harmonioso entre professores e alunos.

Ensino Fundamental e Médio

O ensino fundamental e médio é de responsabilidade do município de residência da criança, havendo densidade na rede de escolas de ensino fundamental. O ensino e todo o material escolar básico são gratuitos para as crianças, incluindo uma merenda quente todos os dias, um plano de saúde escolar e transporte gratuito para as crianças que não podem ir a pé ou usar o transporte público.

As crianças de seis anos podem ser inscritas gratuitamente na pré-escola. A inscrição na pré-escola é voluntária, porém o índice é alto.

O ensino é feito nos dois idiomas oficiais, o finlandês e o sueco, sendo que nas principais cidades existe a possibilidade de instrução em outros idiomas. Existem escolas especiais para crianças incapacitadas ou hospitalizadas. Basicamente, todas as crianças finlandesas frequentam a escola.

Nível secundário superior – vocacional e preparatório

2849-scho7_b-jpg

Cerca de 50% dos alunos optam pela educação continuada no nível secundário superior, que é dividido em vocacional e preparatório universitário, após concluir os nove anos de ensino compulsório (dos sete aos 16 anos). A grade curricular abrange uma grande variedade de matérias opcionais e tem duração media de três anos, ao final do que os estudantes prestam um exame nacional de habilitação. A aprovação nesse exame permite a continuação dos estudos no nível terciário (universitário).

Ambas as opções são oferecidas: preparatório universitário e técnico vocacional. Esta ultima é a escolhida pela maioria dos alunos que não pretende continuar seus estudos no nível universitário. Apenas 7% dos alunos do ensino fundamental e médio optam por não dar continuidade aos seus estudos. Os alunos diplomados pelo secundário vocacional podem continuar os seus estudos tanto nas politécnicas como nas instituições de ensino superior.

Instituições de ensino superior

O ensino superior (terciário) é dividido entre as politécnicas e as universidades. As politécnicas oferecem cursos que visam à educação e ao treinamento profissionalizantes de alto nível, para atender as exigências da vida de trabalho, enquanto as universidades são responsáveis pela pesquisa acadêmica e pela instrução acadêmica convencional.

Dependendo da instituição, os estudantes são selecionados com base nos certificados emitidos pelo Conselho Nacional de Educação após a realização do exame nacional, ou com base em ambos esses certificados e em um exame de seleção. O programa estratégico educacional da Finlândia estabeleceu como meta um índice de 42% de jovens adultos diplomados pelas politécnicas ou universidades até o ano 2020.

Na Finlândia, o período escolar abrange um longo período; um número significativo de alunos do ensino superior não se diploma antes dos 25 anos. O objetivo é o aprendizado vitalício: existem muitas oportunidades de treinamento contínuo para adultos que já estão empregados e que são patrocinadas pelo setor público.

Todos os níveis de ensino são gratuitos. O governo também custeia diversos benefícios sociais para os estudantes, tais como meios de vida, refeições, alojamento e seguro saúde. Os governos municipais e o governo federal são proprietários da maioria das instituições de ensino.

Graças ao seu sistema de ensino publico abrangente e de alta qualidade, não há na Finlândia um mercado comercial de habilitação e educação no setor de ensino básico. Em outros níveis e setores da educação, o mercado disponível comercialmente é também relativamente baixo quando comparado com vários países ocidentais.

Uma visita às escolas finlandesas

Cada sala de aula tem cerca de 30 alunos, de acordo com a faixa etária, sendo que no caso de crianças mais jovens, as salas são menores. Durante os seis primeiros anos do ensino fundamental, uma professora é responsável por cada classe. Nos últimos três anos do ensino médio, cada matéria é de responsabilidade de um professor. Caso necessário, os alunos também recebem assistência especial para problemas de fala, de leitura e escrita, ou outras necessidades especiais.

As matérias nas escolas de ensino fundamental e médio incluem: língua materna e literatura; outros idiomas; estudos ambientais; educação cívica; religião ou ética; história; estudos sociais; matemática; física; química; biologia; geografia; educação física; música; arte; trabalhos manuais e economia doméstica. As metas de ensino e do núcleo básico são as mesmas para todo o país, porém as autoridades e escolas municipais determinam os seus próprios currículos baseados nas metas nacionais de ensino.

Ênfase em idiomas

As escolas finlandesas dão ênfase ao estudo de idiomas estrangeiros. A primeira língua estrangeira é, de modo geral, introduzida no terceiro ano do ensino fundamental e a segunda língua local (o sueco no caso de alunos que falam o finlandês e o finlandês para os alunos que falam o sueco) no sétimo ano, ou antes.

Ademais, os alunos podem optar por até seis idiomas diferentes até a conclusão do nível secundário superior. Os idiomas estrangeiros mais comumente escolhidos são o inglês, o alemão, o francês, o russo e o espanhol.

Os imigrantes cuja língua materna não é o finlandês ou o sueco têm aulas especiais de finlandês como segunda língua. As crianças também têm aula em sua língua materna duas vezes por semana, custeadas pela municipalidade.

Religião com ênfase nos valores de família

A maioria dos finlandeses é membro da Igreja Evangélica Luterana e os seus filhos têm aulas de religião nessa fé. Os membros de outros grupos religiosos também têm direito a aulas de religião na fé que professam se um mínimo de três alunos formarem um grupo.

Aqueles que não forem membros de um grupo religioso são dispensados da aula de religião. Ao invés disso, eles estudam ética, habilidades interpessoais e outras religiões, durante o período escolar.

Opções para alunos e professores

Muitos municípios têm escolas de ensino médio e secundário superior que adotam um currículo voltado para matérias como música, artes ou esportes.

O alto nível de instrução dos professores lhes permite planejar o seu trabalho e escolher os seus métodos de ensino de forma independente. O sistema de ensino finlandês é baseado em uma cultura de confiança, e não de controle, e os professores dedicam-se ativamente ao desenvolvimento do seu próprio trabalho. Ao desempenhar as suas funções eles dão um exemplo de aprendizado vitalício.

Veja mais:

Um dia na vida da Escola Strömberg

Por Salla Korpela, março de 2009, atualizado em maio de 2012.

Links