Biohacking em passeios pelas florestas finlandesas

Quando o biohacking e as florestas se encontram, os resultados podem ser melhorias no desempenho, na saúde e no bem-estar.

ler artigo

A palavra “floresta” tem  muitos significados diferentes para as pessoas na Finlândia: pode ser comida, abrigo, recreação, negócios e inspiração. Os biohackers melhoram o corpo e a mente “hackeando” sua própria biologia. Continue lendo para ver se as conexões tradicionais entre os finlandeses e a floresta têm algo a oferecer aos entusiastas modernos da saúde.

O Biohacking pode até incluir métodos não convencionais, como inserir tecnologia sob a pele como um cyborg de ficção científica, ou até mesmo tentar mudar o seu DNA. Isso parece bem diferente daquela visão de florestas sempre verdes, onde seres super-humanos estão ausentes e a população consiste de animais tão reclusos que as pessoas raramente os vêem. Vamos ver onde as florestas e o biohacking se sobrepõem.

Muito além de alimentos silvestres

As plantas em estado selvagem têm que lutar muito pela sua existência. Nutrientes existem em concentrações mais altas em plantas silvestres do que em variedades de estufa. Foto: Elina Sirparanta / Visit Finland

O conceito finlandês de “direito de todos os cidadãos” (Everyman’s Right, em inglês)  significa que todos têm livre acesso à floresta, seja ela de propriedade pública ou privada, e também podem colher frutas silvestres e cogumelos.

O premiado chef, autor, forrageiro e biohacker Sami Tallberg é especializado em comida ultrasazonal, local e silvestre. Ele pode passar horas falando sobre alimentos crus, ricos em nutrientes, disponíveis na natureza (na verdade, ele fala bastante sobre isso quando organiza oficinas).

As plantas em estado selvagem têm que lutar muito pela sua existência. Você pode até dizer que elas têm sisu, aquela palavra finlandesa difícil de traduzir, que significa algo próximo a coragem e perseverança. Nutrientes existem em concentrações mais altas nas plantas silvestres do que em variedades de estufa.

“Alimentos orgânicos são bons, mas alimentos silvestres vão muito além disso”, diz Tallberg. Suas três principais recomendações para hacks de saúde nutritiva são: uma desintoxicação feita de dente de leão; um revigorante feito com broto de pinheiro para a limpeza das vias aéreas; e urtigas ricas em vitaminas e minerais para qualquer ocasião que você precise de um “efeito Popeye” (só não as coma cruas ou as folhas te machucarão). E preste atenção a este próximo passo, porque é improvável que você receba spam sobre ele em seu e-mail: Sim, diz-se que as urtigas aumentam a libido.

“Para mim, como chef, alimentos silvestres formam a espinha dorsal do meu trabalho, mas meu relacionamento com a floresta também é muito mais holístico do que isso”, diz Tallberg. “A floresta é minha galeria de arte, meu supermercado e meu santuário.”

“No meu trabalho e na minha vida, continuo a tradição finlandesa de estar sempre em sincronia com as estações do ano. Os primeiros finlandeses eram caçadores-coletores e tenho orgulho de estar construindo a atual cena culinária finlandesa com base em sua tradição e sabedoria.”

As propriedades das bagas

Os chefs não são os únicos a divulgar os benefícios para a saúde dos alimentos finlandeses – particularmente os frutos silvestres. De fato, há 20 anos, o Centro de Pesquisas Técnicas da Finlândia (VTT) vem pesquisando as propriedades antimicrobianas das bagas.

Em pesquisa mais recente, o VTT descobriu, em colaboração com o Hospital Central da Universidade de Helsinque, uma indicação de que as bagas Rubus, como framboesa e amora silvestre, podem conter uma cura muito necessária para combater infecções cutâneas causadas por bactérias resistentes a antibióticos, mais frequentemente vistas em conexão com certas cirurgias.

A floresta, e especialmente as bagas da Finlândia, formam há muito tempo uma fonte de inovações finlandesas em medicina, suplementos alimentares e cosméticos. A empresa finlandesa Aromtech fornece suplementos feitos a partir de bagas de espinheiro puro, que são ricas em ômega-3, -6, -7 e -9 e vitaminas A e E. Os suplementos e produtos tópicos derivados do óleo de mar-espinheiro transmitem uma variedade de benefícios.

Outra empresa, a Pihqa, conta com a tradição finlandesa secular de usar resina de pinheiro natural para tratar várias doenças da pele. Aplicada a um arranhão, a resina forma um filme antibacteriano e agiliza o processo de limpeza.

Sentir-se vivo

Você não pode hackear sua biologia somente com comida. Isso nos leva a um assunto favorito na Finlândia: a sauna.

A pesquisa científica mais antiga sobre os benefícios à saúde da sauna remontam a 1765. O benefício de saúde mais amplamente reconhecido de uma visita à sauna é um impulso na circulação sanguínea. Adicione a isto um mergulho pós-sauna na água fria e suas veias certamente se sentirão vivas.

Alternar tratamentos quentes e frios não é algo exclusivo da Finlândia, mas, nesse sentido, os finlandeses podem estar no topo do espectro para impulsionar a circulação sanguínea com contrastes de temperatura. Saunas podem ser tão quentes quanto 100 graus Celsius, e se você sair para nadar em água gelada ou rolar na neve, a temperatura do ar pode ser de até 30 graus negativos.

Você também pode hackear sua mente com endorfinas. Estudos bioquímicos e psicológicos indicam o mesmo resultado; seja qual for a causa, você se sente bem depois de uma sauna.

Revigorante sem sapatos

Sempre que as crianças visitam uma floresta finlandesa, cada grama de solo contém até cinco bilhões de bactérias inofensivas, que estimulam o sistema imunológico das crianças de maneira natural, protegendo-as de doenças não transmissíveis.Foto: Riku Pihlanto / Visit Finland

Imagine isso: andar descalço pelo musgo macio. O ar é agradável e tem alto teor de oxigênio, graças à fotossíntese das árvores ao seu redor. Inspire, expire. Bom, né?

Bem, além da textura macia do musgo, outro fator que impulsiona a circulação pelos pés são as pontas espinhosas das agulhas de pinheiro e abetos no chão da floresta. Basicamente, você pode decidir qual hormônio estimular em sua

Para um biohacker exclusivo, caminhar descalço pode soar um pouco hippie. Mas o solo que você toca faz a diferença. Aki Sinkkonen, especialista em biologia da vida selvagem e soluções baseadas na natureza, gostaria de levar um pedaço da floresta finlandesa para todos, mesmo em áreas urbanas.

Sempre que as crianças visitam uma floresta finlandesa, cada grama de solo contém até cinco bilhões de bactérias inofensivas, que estimulam o sistema imunológico das crianças de maneira natural, protegendo-as de doenças não transmissíveis. Em um ambiente urbano, uma caixa de areia no playground local contém apenas 10.000 a 100.000 bactérias por grama, e isso não é suficiente.

“As florestas finlandesas são um cenário ideal para obter uma exposição saudável à microbiota diversa porque, devido aos invernos frios, não temos os patógenos causadores de doenças mais perigosos”, diz Sinkkonen. E há sempre uma floresta próxima, geralmente a uma curta distância, mesmo na capital, Helsinque.

Ar puro e o ar mais puro

A palavra “floresta” tem diferentes significados para as pessoas na Finlândia: comida, abrigo, recreação, negócios e inspiração. Foto: Laura Vanzo / Visit Tampere

Quanto mais longe da cidade você estiver, maior a probabilidade de você se deparar com a “barba de velho” (Usnea), que tem este nome por sua paprência e sempre aparece pendurada em troncos e galhos de árvores.

Os finlandeses lhe dirão que, “se a barba de velho”, que é sensível à poluição, estiver crescendo em árvores velhas, é sinal de que o ar está limpo. A Finlândia e os outros países nórdicos têm o ar mais limpo do mundo e você sabe que chegou quando vê uma “barba de velho”.

Quando você chegar a uma localidade destas, seus pulmões podem dizer kiitos (obrigado).

Por Virve Ilkka, abril de 2019