Inovações finlandesas em fibra podem mudar a indústria têxtil

Enquanto a indústria global do vestuário enfrenta uma crise de sustentabilidade, várias empresas finlandesas oferecem soluções.

ler artigo

A indústria de roupas moderna é uma maravilha. Entre em qualquer loja de moda e você terá como opção milhares de itens diferentes em uma enorme variedade de estilos. No entanto, a indústria também é marcada por sua insustentabilidade.

Alguns dos materiais mais comuns, como o poliéster, são derivados do petróleo. Microfibras de plástico de tecidos sintéticos acabam nos oceanos e entram na nossa cadeia alimentar. Por sua vez, a produção de fibras naturais, como o algodão, exige uma enorme quantidade de água.

The very nature of fashion encourages people to toss their old clothes in landfills and buy the next popular thing. It is a monumental problem, but people are now aware of it.

A própria natureza da moda encoraja as pessoas a jogar suas roupas velhas em aterros e comprar o próximo item popular. É um problema monumental, mas as pessoas agora estão mais conscientes sobre isso.

Vestido feito de bétula

O Helsingin Sanomat, jornal mais lido da Finlândia, pode se tornar tecido para uma capa de laptop com o processo da Ioncell, que dissolve a celulose e a transforma em fibras.
Foto: Eeva Suorlahti

“A sustentabilidade está se tornando cada vez mais importante para o consumidor de hoje”, diz Anna-Kaisa Auvinen, diretora administrativa da Finnish Textile and Fashion, uma organização da indústria têxtil e do vestuário.

“Na Finlândia, temos grandes inovações em fibra que ajudarão a indústria a ser mais ecológica. Cada vez mais vemos novas startups sendo formadas na Finlândia com responsabilidade social corporativa no núcleo da empresa”.

Várias organizações finlandesas tentam resolver a questão da uma matéria-prima sustentável para têxteis há anos, incluindo o Centro de Pesquisa Técnica da Finlândia (VTT) e a Universidade Aalto. Pirjo Kääriäinen, professora de inovação em fibra orientada a design da Aalto, estima que sete ou oito projetos diferentes estão em andamento e alguns deles se formaram no laboratório.

Na Universidade Aalto, a professora Pirjo Kääriäinen e o cientista Michael Hummel mostram como junto com seus alunos transformam madeira em fios e tecidos sem produzir resíduos ou consumir produtos químicos.Video: Universidade Ioncell / Aalto

Kääriäinen está envolvida no Ioncell, um projeto que desenvolve um método para criar fibras têxteis de alta qualidade a partir de madeira ou materiais reciclados.

Eles encontraram a publicidade perfeita para o seu produto quando Jenni Haukio, a primeira-dama da Finlândia, usou um vestido feito de fibra Ioncell à base de bétula no baile anual do Dia da Independência da Finlândia.

Fonte infinita de matérias-primas

Os alunos da Universidade Aalto, Simone Haslinger e Yingfeng Wang, produziram um cachecol usando fibras de Ioncell recicladas de algodão velho; O presidente francês Emmanuel Macron recebeu-o como um presente quando visitou a escola.
Foto: Mikko Raskinen

“Os métodos tradicionais de criação de fibra a partir de celulose, como rayon, exigem produtos químicos pesados”, diz Kääriäinen. “Todo o processo de produção da Ioncell é seguro e não prejudicial. Pode até manter a cor: se você reciclar camisetas vermelhas, você pode tirar as fibras vermelhas do processo sem precisar re-colori-las ”.

Outra empresa ativa no campo é a Infinited Fiber. Suas raízes remontam aos anos 80, quando várias corporações finlandesas e o VTT estudaram a produção de viscose.

“O avanço veio por volta do ano 2010, quando descobrimos como usar papel descartado como matéria-prima”, diz o CEO Petri Alava. “Agora, podemos usar uma enorme variedade de matérias-primas, como papel, papelão ou resíduos têxteis. A disponibilidade é um grande problema para a indústria, mas parte da infraestrutura já está em vigor para esses materiais, como o papelão por exemplo”.

A Infinited Fiber foi criada a partir do VTT em 2015 e agora tem uma plataforma piloto em operação. O processo separa a fibra, transforma-a em líquido e transforma o líquido em uma nova fibra semelhante ao algodão. O algodão é um material importante para o mercado têxtil tradicional e a Infinited Fiber planeja licenciar sua tecnologia para grandes produtores globais. Seu denim atende a100% dos requisitos de qualidade comercial.

“É animador ver o alto interesse do mercado”, diz Alava. “A geração mais jovem quer roupas ambientalmente sustentáveis e esse é um grande desafio para as marcas de moda”.

Girando para ganhar

Empresas como a marca finlandesa Melli EcoDesign estão experimentando tecidos da Spinnova. A Melli está particularmente interessada em texturas têxteis, pois é especializada em roupas para bebês e bebês prematuros.
Foto: Spinnova

Spinnova está localizada na cidade central finlandesa de Jyväskylä, no coração da floresta finlandesa. Eles usam polpa de madeira como matéria-prima, mas o processo tem um efeito diferente.

“Nós não usamos produtos químicos prejudiciais em tudo”, diz o CEO Janne Poranen. “Usamos um processo mecânico para girar as fibras naturais através de pequenos bicos para criar filamentos têxteis”.

O único subproduto da tecnologia da Spinnova é a água que evapora durante a secagem e é reutilizada no processo de fiação. O sistema de circuito fechado chamou a atenção do ícone da moda finlandesa Marimekko e uma parceria começou. No momento da escrita desse artigo, as duas empresas planejam como levar seus produtos para os clientes no futuro próximo.

“Nossa plataforma piloto está na fase de inicialização e, em seguida, vamos começar a ampliar”, diz Poranen. “Em dois ou três anos esperamos ver grandes volumes.”

Inovadores finlandeses como Spinnova, Ioncell e Infinited Fiber têm um grande objetivo: encontrar um processo sustentável com materiais sustentáveis para as necessidades têxteis do mundo. Eles empregam métodos diferentes, porque há mais de uma maneira de caminhar pela passarela da moda.

Por David J. Cord, março de 2019

Links