Finlândia pretende se despedir dos lixões

A reciclagem de resíduos economiza recursos naturais, produz matéria-prima para a economia circular e gera novas oportunidades de negócios.

ler artigo

Quarenta e um por cento dos resíduos foram reciclados como materiais, enquanto 58% foram incinerados para produzir energia. Como o uso de resíduos se tornou mais eficiente, o número de lixões na Finlândia caiu significativamente. Mais de 2 mil foram fechados ao longo dos anos; no momento em que escrevo, restam menos de 350 em todo o país.

A Finlândia ainda trabalha para aumentar sua taxa de reciclagem material. A queima de lixo para energia não é isenta de problemas: produz cinzas e escórias, que normalmente não podem ser usadas para mais nada. Esses subprodutos devem ser armazenados e periodicamente agitados, o que consome eletricidade.

Quase todos os materiais podem ser reciclados

Em Helsinque, todos os edifícios com pelo menos 20 apartamentos oferecem contêineres para coleta de resíduos biológicos; papel; papelão e cartão; vidro; e pequenos itens de metal; além do lixo geral. Muitas associações habitacionais também coletam plástico. Recipientes de reciclagem ficam ao lado dos contêineres de lixo em cada pátio.Photo: Tero Sivula/Lehtikuva

“A coleta de papel começou na Finlândia na década de 1910”, diz Sirje Stén, consultora do Ministério do Meio Ambiente. “Retalhos e roupas velhas já eram coletados antes mesmo disso. As roupas eram feitas principalmente de algodão, que era usado para fazer papel. O vidro e particularmente o metal são materiais valiosos e foram coletados na Finlândia por um longo tempo.

A coleta de resíduos biológicos em sua forma atual começou em cidades finlandesas na década de 1990, seguida por plástico na década de 2010.

Municípios e cidades são responsáveis pela coleta de vários tipos de lixo. Em Helsinque, por exemplo, todos os edifícios com pelo menos 20 apartamentos devem oferecer contêineres de coleta para resíduos biológicos; papel; papelão e cartão; vidro; e pequenos itens de metal; além do lixo geral. Muitas associações habitacionais também coletam plástico.

Baterias e lâmpadas podem ser devolvidas a qualquer loja que as venda. Outros resíduos domésticos, como móveis, eletrodomésticos ou sucata de reforma, são levados para centros de reciclagem. Um sistema de coleta de resíduos têxteis está em desenvolvimento.

A reciclagem funciona quando é fácil

Quase 100% das garrafas e outros contêineres de bebidas são devolvidos na Finlândia. O plástico, o vidro e o metal coletados tornam-se novas latas e garrafas.
Photo: Anna Ruohonen

“Os obstáculos mais comuns à reciclagem existem quando ela é considerada difícil, quando os pontos de reciclagem estão longe e não há espaço suficiente em casa para isso”, diz Asta Kuosmanen, especialista-chefe da Organização Martha, uma ONG que promove o bem-estar e a qualidade de vida nos lares. Portanto, temos que tornar a reciclagem o mais simples e recompensadora possível.

Os pontos de coleta devem ser o mais próximo possível – de preferência no pátio de cada prédio. Mesmo em uma pequena casa podem caber recipientes separados compactos para vários tipos de resíduos, para que a coleta seja livre de problemas.

“O aconselhamento e a comunicação também têm impacto na reciclagem: os consumidores devem ser informados sobre os benefícios concretos da reciclagem e como o material é usado”, diz Kuosmanen.

“O sistema finlandês de depósito de garrafas é excelente; coletamos quase 100% dos contêineres de bebidas ”, diz Sirje Stén. Eles são usados para produzir novas latas e garrafas. Outros vidros reciclados são usados para fazer potes de geléia, garrafas de vidro ou fibra de vidro. O vidro também é usado em projetos de engenharia civil.

A maioria dos papéis e papelões são reciclados na Finlândia. O papel coletado é usado para fabricar papel de jornal e toalhas de papel, enquanto o papelão é transformado em insertos para rolos de papel toalha ou pano.

Economia circular estimula oportunidades

Nenhuma cozinha é pequena demais para que se possa reciclar. As caixas podem ser achatadas e compactadas para ocupar menos espaço.
Foto: Mirva Kakko / Otavamedia / Lehtikuva

Numa economia circular, produção, consumo e serviços são organizados da forma mais sustentável possível. O objetivo é manter itens e materiais em circulação o máximo possível, mantendo, reparando, remodelando e reutilizando-os. Uma maneira de minimizar a criação de resíduos é evitar embalagens desnecessárias e produtos de uso único.

Quando o lixo é produzido, ele é coletado separadamente e usado da forma mais eficiente possível. Isso oferece oportunidades de negócios à medida que as empresas desenvolvem novas formas de explorar o material coletado. Na Finlândia, os tratores quebrados, que já não podem ser consertados, são desmontados para peças sobressalentes, o material antigo para telhados torna-se matéria-prima para asfalto e as borras de café são uma boa base para o cultivo de cogumelos.

Alguns restaurantes finlandeses produzem refeições com alimentos excedentes doados. Os gerentes de restaurante e de loja usam aplicativos para vender sobras de alimentos a preços com desconto após o horário do almoço ou conforme a data de validade. Alguns grupos distribuem comida excedente de graça para os necessitados, ou servem refeições feitas a partir de restos de comida de graça ou a preços módicos. Em Helsinque também há experimentos com geladeiras públicas onde qualquer um pode deixar alimentos excedentes e levar alimentos de seu interesse que estejam nas geladeiras para casa.

Vestuário de segunda mão novo em folha

Finnish company Globe Hope makes design clothing and accessories from surplus materials. (es translation) (pt translation)Foto: Globe Hope

Roupas em bom estado tradicionalmente são doadas ou vendidas em brechós. Serviços on-line para a venda de roupas de segunda mão também existem, tornando o mais fácil possível vender e comprar.

Empresas finlandesas colocam em uso têxteis em desuso: a Remake Ecodesign transforma  roupas de segunda mão em coleções de roupas produzidas em massa, enquanto a Globe Hope produz roupas e acessórios de design a partir de materiais excedentes, como tecidos velhos, velas de barco velhas e materiais publicitários. A Pure Waste converte resíduos da indústria têxtil em matéria-prima para uma nova indústria de vestuário e roupas prontas.

Há também projetos-piloto em andamento, nos quais novos fios e tecidos são feitos com roupas usadas e outros resíduos de tecido. A meta da Finlândia é que 50% dos resíduos urbanos sejam reciclados em 2020 e 55% até 2025.

By Anna Ruohonen, junho de 2019

Links