Finândia e a Internet das Coisas

De carros a lixeiras, tudo está online. Duas empresas finlandesas dão uma nova utilidade à Internet das Coisas (IoT).

ler artigo

De dispositivos de comunicação em lixeiras a rastreadores para carros de ralí, empresas finlandesas buscam abordagens únicas para a Internet das Coisas.

É segunda-feira de manhã. Após um fim de semana prolongado, as lixeiras mostram que há uma enorme quantidade de lixo armazenado. Mostram também mais do que isso; relatam suas temperaturas internas e até mesmo prevêem quando estarão completamente cheias.

Nem todas as lixeiras são iguais. Em uma comunidade tranquila de aposentados, elas podem levar uma semana para atingir sua capacidade máxima de armazenamento, mas em outra comunidade, um grande condomínio de prédios, por exemplo, elas podem transbordar diariamente. Esta simples informação é uma mina de ouro se você deseja executar serviços de coleta de lixo de maneira eficiente em uma cidade. É exatamente nesta área que a empresa finlandesa Enevo busca seu nicho.

“Normalmente nossos clientes operam com rotas baseadas em horário fixo, o que significa que os caminhões sempre visitam os mesmos locais onde se encontram as lixeiras, em um determinado dia, independentemente delas estarem ou não cheias”, diz Pirkka Palomäki, diretora de operações da Enevo. “Oferecemos uma solução completa desde sensores a navegadores para os caminhões. Nós coletamos dados pelo histórico, o que possibilita fornecer uma previsão, como uma espécie de previsão de tempo para o lixo.”

A empresa vem atraindo o interesse da imprensa em todo o mundo pela solução engenhosa encontrada para um problema antigo. Investidores globais também têm mostrado seu interesse e a Enevo recebeu financiamento de investidores de capital de risco do Vale do Silício, da Finnish Industry Investment (empresa de investimentos do governo finlandês) e do presidente da Nokia, Risto Siilasmaa.

Muito além do lixo

Colocado no interior dos recipientes, este tipo de sensor permite a Enevo monitorar lixeiras para ajudar a criar uma rota de coleta mais eficiente.

Colocado no interior dos recipientes, este tipo de sensor permite a Enevo monitorar lixeiras para ajudar a criar uma rota de coleta mais eficiente.Photo: Eeva Anundi/Enevo

O trabalho realizado pela Enevo é um exemplo de Internet das Coisas (do termo IoT – Internet of Things em inglês), uma rede de objetos físicos que são incorporados à eletrônica e conectados à internet. A grande evolução da Internet das Coisas não reside apenas em sensores que coletam dados ou transmissores que os enviam, mas também em como essa informação é utilizada.

É relativamente simples de se imaginar uma lata de lixo que mede o volume de resíduos armazenados. Mas imagine uma cidade com milhares de lixeiras que enchem em tempo e volume diferentes, dezenas de caminhões de lixo e milhões de rotas potenciais de coleta. A Enevo comunica a seus clientes a rota mais eficiente para o esvaziamento das lixeiras.

“O núcleo de nossa análise de dados traz imensas vantagens econômicas, pois possibilita menos caminhões na estrada, menos emissões de CO2 e economias significativas na parte operacional”, diz Palomäki.

Com um pouco de imaginação, podemos ver o trabalho da Enevo como solução a ser utilizada para todos os tipos de negócios referentes à entrega e coleta, mas Palomäki diz que o foco agora é na gestão de resíduos. “Há, obviamente, muitas aplicações que podemos oferecer mais tarde – diz ela – mas nesta fase é importante que se mantenha o foco para fornecer a melhor solução.”

Quando coisas ficam online

Thingsee One permite a seus usuários que inventem aplicativos e expandam a Internet das Coisas sem limitar sua imaginação.

Thingsee One permite a seus usuários que inventem aplicativos e expandam a Internet das Coisas sem limitar sua imaginação.Photo: Thingsee

Enquanto a Enevo se concentra em um único aspecto da Internet das Coisas, outra empresa finlandesa toma o caminho inverso. Com sede na cidade de Oulu, ao norte do país, a Thingsee criou um aplicativo hardware e móvel, que você escolhe como usar. O dispositivo inclui um localizador GPS, um giroscópio e um magnetômetro. Sensores medem luz, pressão, temperatura e umidade.

“Tenho visto algumas inovações fantásticas.”, diz o co-fundador da empresa, Ville Ylläsjärvi. “Uma delas foi um aplicativo off-road para carros que adjetivar como interessante seria pouco.”

Com o dispositivo Thingsee One, um carro de ralí pode enviar dados para sua equipe de suporte referentes à sua aceleração, velocidade, localização e até mesmo sua inclinação. Outras idéias que Ylläsjärvi tem visto são um dispositivo de alerta para quando o carteiro chega e um localizador para balões que pode ser usado por amadores.

Todo o projeto é construído de maneira aberta e flexível, diz ele. Pessoas interessadas em desenvolvimento podem criar softwares na plataforma open-source. O dispositivo pode ser usado tanto por um técnico não experiente em um projeto que seja um simples passatempo, quanto por desenvolvedores profissionais que queiram testar uma idéia. Sua versatilidade não é apenas para indivíduos curiosos. Um dos maiores mercados potenciais de hoje são as empresas que constroem suas próprias contribuições no que se refere a Internet das Coisas.

“Somos diariamente contactados por empresas que desejam construir novos serviços”, diz Ylläsjärvi. “Este é o primeiro dispositivo desenvolvedor inteligente do mundo.”

 

Por David J. Cord, abril de 2015

Links